Como me tornei Nômade Digital com quase 50

É, quase meio século de vida e chega aquele momento de reflexão em que questionamentos brotam de todos os lados inundando nossa alma ávida para viver tudo aquilo que até então nos foi negado.

Foi num desses momentos que decidi estudar um novo caminho, a velha vida cheia de rotinas, terninhos bem alinhado, salto alto, reuniões chatas e interminaveis, peso extra por comer qualquer porcaria dentro do carro no caminho entre um cliente e outro já não estavam alinhados com meus sentimentos e com minha missão de vida.

Afinal, passar pela vida vivendo como um zumbi que repete exaustivamente todos os dias a mesma rotina não me parecia mais uma opçåo aceitavel.

Aí a razão começa a brigar com com o desejo, e as crenças limitantes aprendidas desde a infância começam a fazer uma guerra dentro de mim, então resolvo desafiar a razão e me lançar no mundo, romper com paradigmas, mudar a roupa, a casa e o quintal, e que quintal! Uauh.

Mas a tarefa de reaprender uma profissão a qual me permitisse trabalhar de qualquer lugar do planeta não foi tão simples quanto parecia, gastei muito dinheiro em cursos, gastei tempo pesquisando, fiz muitas tentativas e erros, e não foi fácil convencer o marido que era necessário essa dedicação e esforço para atingir meus objetivos, mas fiz valer meus conhecimentos em informática, da experiência de anos administrando empresa e comandando equipe e do meu perfil empreendedora para me transformar em uma Nômade Digital.

Mas o que é ser uma Nômade Digital afinal?
Ser nômade digital é uma decisão de vida. Eles conscientemente não têm uma casa para voltar. Eles escolheram não ter raízes em seus países ou em qualquer outro país onde eles venham morar eventualmente. Eles não estão fugindo de nada e nem estão em busca de nada. Eles simplesmente aproveitam o percurso e as novas paisagens enquanto vivem a vida e trabalham “normalmente”.

Um Nômade digital pode atuar nos mais variados seguimentos, temos um amigo que é programador, outro faz sites (até iniciei mas não vi muita viabilidade), outro virou youtube de sucesso….ta, ta, ok, a pergunta que você deve estar se fazendo é “mas eu não sou profissional da informática, então não posso ser um Nômade Digital?”

Errado, pode sim. O marketing de afiliados por exemplo é um nicho de mercado que só tem ampliado nos últimos anos e já existem várias empresas que possuem essa plataforma, sendo que a mais conhecida delas é o Hotmart, lá qualquer pessoa pode se cadastrar e vender produtos digitais, as comissões variam bastante, mas de um modo geral são bem atrativas. Essa é uma ótima opção para quem vive na estrada, pois não precisa de estoques fisicos.

Existem várias outras maneiras de empreender e tirar bons rendimentos sem que para isso você precise viver escravo do sistema, entretanto, não é tão simples iniciar um negócio lucrativo do zero, muitas noites fui dormir passado das 2 da madruga, então dedicação e foco especialmente no primeiro ano é indispensavel.

Se você é como eu, quer viver por ai sem horários fixos, sem uma rotina desgastante, sendo seu próprio chefe, sem funcionários desmotivados e ainda tendo a possibilidade de conhecer lugares, culturas e pessoas interessantes, recomendo que arregasse as mangas, pregue a bunda na cadeira e estude, aprenda a fazer um Blog, aprenda a escrever, aprenda a fazer videos, melhore suas fotos, aprenda a editar videos, aprenda a lidar com as ferramentas do Google, aprenda como funciona as plataformas do Marketing de afiliados e as diferenças entre elas, fique ligado aqui no Blog, se inscreva para recebera conteúdos com dicas dos caminhos que segui até aqui.

No menu do Blog você encontrará um link da LOJA VIRTUAL, lá vc encontrara alguns dos cursos que eu fiz e que me ajudaram muito nessa jornada.

O meu projeto ainda não esta 100% concluido, mas já estou colhendo frutos. Resolvi dividir com vocês essa experiência pois muita gente tem me perguntado como é possivel realizar esse sonho de ganhar dinheiro enquanto viaja, e a 3 anos eu e o Pedro, como nossos seguidores bem sabem, vivemos em um trailer. Ele é aposentado, mas aposentadoria no Brasil não quer dizer muita coisa, então eu que não sou aposentada preciso me virar nos trinta e é um pouco dessas experiências que vou dividir com vocês nos próximos posts.

Fiquem ligadinhos e nos sigam pra receber as notificações das próximas postagens.

Anúncios

Cânion Espraiado

Encantamento foi a palavra que encontrei para descrever essa região. Sabe aquele lugar que te dá dor na mandíbula de tanto falar “Ohhhh”, para onde você olha vem logo um “Ohhhh” acompanhado, pois bem, esse é o lugar.

Cânion Espraiado – Urubici (foto de Noemi Cardoso)

O Cânion Espraiado fica localizado no Morro do Campo dos Padres, nome dado em alusão a passagem dos Jesuítas no período das missões, os quais se refugiavam nessas localidades, aliás, a região abriga um antigo cemitério Jesuíta, visível apenas para quem faz as trilhas mais longas (são poucos que se aventuram).

A região é provida de inúmeras  lendas, esculturas geológicas e, cercada de  montanhas, escarpas e chapadas, além dos  cânions e das cachoeiras  que compõem todo o cenário.

Contém um dos pontos mais elevados de Santa Catarina, com 1827 metros de altitude

É uma região excelente para praticantes de Trekking, pois até mesmo o acesso só é possível com mochilão, carro 4×4, moto de trilha, alguns doidinhos arriscam a subida com bike e não sei como consegue, mas conseguem. Com carro pequeno não arrisque ou você vai inevitavelmente ficar pelo caminho e detalhe, lá não chega guincho.

Esse acesso se dá Por Ububici e tem mais ou menos 10km. Parece bem pouco né, mas levamos quase 2 horas para fazer a subida em uma Ranger 4×4  com bloqueio do diferencial e com marcha  reduzida, tudo bem que havia acabado de cair um toró de água, mas o trajeto é complicado mesmo. Eu cheguei a achar que não chegaríamos a lugar algum, e que logo logo eu seria devorada por um leão da montanha em uma das diversas porteiras que tive que descer para abrir (ainda bem que o bicho tem búfalos e javalis selvagens para caçar na região), ufa, me salvei para contar essa história.

Caso você não queira fazer um mochilão e também não disponha de um 4×4, fique tranquilo, ainda dá para chegar até lá utilizando-se do serviço de transporte do pessoal que cuida e administra a visitação no cânion. Eles não possuem site então vou deixar o link da fan page deles no final do post.

Outra coisa, se você é aquele que gosta de luxo, não vá. A única habitação é do pessoal que mora e que fazem as cobranças de acesso ao Cânion. Lá você encontrará um rancho muito, mas muito rústico mesmo com o chão forrado de cepilho um fogão a lenha compartilhado por todos, cachorros e galinhas circulando pelo ambiente enquanto você prepara um rango qualquer.

Se você usar o camping será estilo selvagem e se não compartilhar cozinha, luz e água você irá pagar uns 5 reais a menos no valor da diária, o que do meu ponto de vista não vale a pena, até porque o pessoal que lá mora cobram bem pelas estadias mas oferecem quase nada.

O único banheiro em cimento bruto é compartilhado por todos (torça pra ter pouca gente). Se você quiser se alimentar lá no local eles fazem as refeições mediante encomenda (normalmente para grupos), também é possível fazer rappel, trilha para a cachoeira e Slackline , para isso é preciso contratar um guia (todos os moradores são guias e praticantes de esportes radicais) e possuem todo o equipamento necessário.

Há também a possibilidade de pousar nos beliches que eles alugam em quarto compartilhado, os ciclistas que chegaram na mesma noite que nós fizeram essa opção.

Nós felizmente estávamos a bordo da nossa Terra Bruta, mas em razão do vento que é muito forte na região não pudemos montar o toldo com fechamento, então cozinhamos no fogão a lenha deles, rodeados de cachorros e galinhas, mas foi bem divertido e diferente. Nosso stress ficou por conta de não poder soltar a Dudinha nem para fazer xixi porque os cachorros (tinha uns 15) representavam uma ameça grande pra ela.

No dia seguinte da nossa chegada fizemos a trilha que leva a borda do Cânion, não é muito longa e bem tranquila de se fazer (pra quem gosta de Trekking) e não precisa de guia, a dificuldade maior fica por conta do Charco que são grandes poças d’água com quantidade de lama variável e se formam principalmente na grama e em depressões na terras, no caso do Espraiado esses charcos se estendem por quilômetros e são cobertos por um tipo de graminha típica da região, então use meias adequadas e sapatos de trilhas bem isolados pois os pés afundam e molham bastante em alguns trechos.

No segundo entardecer fomos ver o pôr do Sol no morro da Torre como é chamado pelo pessoal da região. É um dos pontos mais altos a que se tem acesso com pouco mais de 1.600 metros de altitude e é chamado assim em razão de ter uma torre de medição de ventos nele, a vista é simplesmente incrível. Fomos com a Terra Bruta até lá porque fica a 8 km da casa de apoio e para voltar a noite de apé em meio a búfalos selvagens não nos pareceu uma boa ideia.

As fotos que aqui deixamos pode transmitir um pouco do da beleza da região mas não conseguirá mostrar a vocês o tamanho da alegria e emoção que sentimos, só indo e presenciando essa obra da natureza para vocês terem uma ideia do quão belo é esse nosso planetinha. Dos Cânions que conhecemos no Sul do país esse esta em primeiro lugar, não sei se apenas pela beleza, ou pelo fato que aqui ainda há pouca mão do homem aqui, a gente se sente isolado do mundo e mais perto de Deus (aquele que habita em mim e habita em você), sem dúvida um convite a meditação e reflexões.

Dificilmente sentimos vontade de retornar aos mesmos lugares, entretanto, alguns ficam tão marcados na memória que a volta é inevitável. No Cânion Espraiado já ta certo que o dia que conseguirmos adquirir nosso tão sonhado Drone, iremos voltar e registrar mais um pouquinho dessa obra divina protegida por Deus e admirada pelos homens.

Quando vocês forem conhecer, venham aqui e nos contem o que acharam e o que sentiram chegando lá.

São José dos Ausentes

Por muitas vezes vimos reportagens e imagens das regiões das Serras gaúchas, e ficávamos encantados, sonhando com o dia em que cavalgaríamos nesses campos  cercados por gado e cânions por todos os lados e que seriam ainda mais lindos do que aqueles que víamos através da telinha da Tv. Embora a região conhecida como Pampas esteja mais ao sul, segundo o IBF (Instituto Brasileiro de Florestas) toda região de coxilha pode também, em razão do tipo do solo e vegetação ser chamada de Pampas, entretanto são mais conhecidos como Campos Altos, mas isso não importa, o que importe é que…

Esse dia tão esperado chegou e a experiência foi incrível, enfim conhecemos São José dos Ausentes.

A história se faz presente muito mais do que apenas no nome, no século XVIII  desbravadores encontram um lugar intacto pelo homem e desenhado por Deus, abraçado pelo estado de santa Catarina entre o rio Pelotas e nascente do rio das Antas estava localizado o maior latifúndio do Rio Grande do Sul, a Fazenda dos Ausentes, localizado em uma região privilegiada do país, São José dos ausentes esta inserido em um Eco sistema único, os campos de cima da Serra são formados por campos de altitude e matas de araucárias.

Junto as belezas naturais a região oferece grandes atrativos como a vista exuberante do pico e Cânion Monte Negro, Coxilha e Cruzinha além das majestosas taipas e mangueirões de pedras que te propiciam uma volta ao passado, o desnível dos rios, cujo fenômeno é de ímpar beleza, os passeios a cavalo pelas coxilhas e a rotina dos campeiros na lida diária, a comida típica em sua maioria feita com produtos cultivados ali mesmo na região, no quintal de cada casa ou pousadas dão um toque inesquecível nessa aventura.

São José dos ausentes sem dúvida oferece um diversificado e envolvente cenário natural envolto em um clima subtropical com temperaturas negativas que deixa suas marcas em campos e matas cobertos pela geada e a fantástica neve que altera as cores da paisagem dos campos de cima da serra no período de inverno.

São inúmeras pousadas disponíveis aos turistas, hospedar-se  em uma delas é sentir-se em casa, elas são sinônimos de aconchego e conforto. A maioria oferece  a possibilidade para acampar, embora não possuam uma área específica para camping, fornecem água, luz e banheiro com chuveiro quente, e quem não quiser cozinhar pode fazer todas as refeições na pousada e saborear comidinhas com gostinho do tempero da vovó.

Nós ficamos na fazenda e pousada Aparados da Serra (contato no link https://amorsobrerodas.blog.br/dicas-de-viagem/fotos/ , a última da rua que dá acesso aos Cânions. Como estávamos a bordo da nossa Terra Bruta e no período de verão, não fizemos uso das instalações da pousada, cozinhamos a nossa própria comidinha como de costume mas fizemos questão de conhecer as instalações e verificar como é o café da manhã servido na pousada que para nossa surpresa apresentou-se um verdadeiro banquete.

A aventura principal ficou por conta dos passeios a cavalo, meu marido tinha medo que eu me estabanasse no chão mas no final deu tudo certo, sem nenhum susto nem tombos.

No primeiro dia fomos para o Cânion da Coxilha, este é pouco divulgado mas para mim foi o mais bonito de todos.

Foram aproximadamente 3 horas de cavalgada com uma vista simplesmente de tirar o fôlego, nesse cânion não chegamos a cavalo até a borda pois é uma região que tem muito gado e para segurança deles, o Cânion todo é protegido  com cercas de arame (passamos por baixo de algumas). Para onde olhávamos víamos campos e mais campos verdinhos e o vento forte era o único som que ouvíamos o que transformava cenário simplesmente mágico e inesquecível.

No segundo dia quase não conseguimos sair da cama devido as dores no corpo da cavalgada do dia anterior (esse negócio é para os fortes) mas a vontade de conhecer os outros 2 cânions (Cruzinha e Monte Negro) nos fez pular rapidinho.

Fizemos nosso tradicional ovos mexidos com café preto fresquinho e saímos  para mais 15 km de cavalgada, dessa vez chegamos até a borda dos Cânions a cavalo e confesso que me superei pois havia prometido poucas horas antes de que não teria coragem para tanto, mas a vista é tão incrível que supera qualquer medo, e demais a mais os cavalos conhecem o caminho e os perigos e a minha Princesa era realmente uma lady e me conduziu de forma tranquila e sem sustos mas a Dudinha ficou um pouquinho enciumada, mas essa história conto pra vocês lá nos nossos vídeos no Canal do Youtube que logo logo vai para o ar.

Eu estava ansiosa para ver a famosa Viração, e nesse segundo dia fomos agraciados por ela. Tivemos a felicidade de conhecer e fotografar os Cânions Cruzinha e Monte Negro ainda com o tempo limpo e em seguida, um pouco antes de irmos embora começou a Viração, esse é um fenômeno que ocorre devido ao choque térmico da massa fria com o calor estacionado na altitude, fazendo com que uma névoa quase palpável se concentre no interior do cânion.

No Cânion Monte Negro tivemos o privilégio de fotografar e filmar bem de pertinho esses dois filhotes de abutre se preparando para lançar seus primeiros voos.

Aqui no Blog vou deixar algumas fotos, mas legal mesmo será vocês assistirem os vídeos que estamos preparando pra vocês e que ficarão disponíveis em breve no nosso canal no Youtube que esta para ser lançado.


Aproveite para seguir nosso Blog e nossa Fanpage e venha conosco nessa aventura. https://www.facebook.com/amorsobrerodasPedroeNoemi/

Em Busca de Sentido

Esse poste é para você que pensa em mudar sua vida mas vive passivo se lamentando constantemente de tua má sorte, pela rotina, o casamento mal sucedido, o emprego que não o realiza, seus sonhos que sempre ficam para depois. Você não tem o poder de mudar tudo o que ocorre com você, mas tem o poder de escolher de que maneira quer se sentir e agir em relação aos acontecimentos. Fique comigo e veja esse post até o final (assista o vídeo no link a seguir.  https://www.youtube.com/watch?v=T1iiQphTaKo&t=212s

Título: Em busca de sentido
Autor: Viktor E. Frankl
Editora: Vozes
Páginas: 140 

Experiências em um campo de concentração

O Tema central desse livro é o Sentido da Existência humana.

Resenha:

O livro Em busca de sentido do autor Viktor Frankl, apresenta o relato pessoal de Victor que esteve presente nos campos de concentração na era nazista na Segunda Guerra Mundial.

Viktor Frankl, psiquiatra austríaco, foi prisioneiro em Auschwitz durante o holocausto nazista. Em busca de sentido narra essa experiência, além de nos apresentar a Logoterapia – método psicanalítico que ele idealizou e criou.

No campo de concentração, as pessoas cujo desejo de sobreviver era ardente, eram aquelas que possuíam a maior capacidade de sobrevivência, pois possuíam um sentido que justificasse suas vidas.

Alguma vez na vida, você já deve ter efetuado as seguintes perguntas: Qual é o propósito da vida? Por que estamos aqui? Temos alguma missão a cumprir?

Em algum momento de sua existência, essas perguntas ecoaram em seus ouvidos, tanto em momentos de extrema felicidade, quanto em momentos de desespero, desânimo, sobre o porque de ser você o escolhido por passar por este momento.

O livro é uma narrativa dramática e comovente da situação limite no campo de concentração. O autor observou a si mesmo e os demais durante a Segunda Guerra Mundial e descreve o que sentiu com uma realidade impressionante.

Após sua experiência surreal no campo de concentração, Victor Frankl começou a atender e durante os atendimentos costumava perguntar a seus pacientes porque não optavam pelo suicídio. A partir das respostas a essa pergunta ele encontrava as linhas centrais da psicoterapia a ser utilizada.

A obra traz uma reflexão sobre o que o ser humano é capaz de fazer quando compreende que não tem nada a perder senão sua existência, ele faz uma descrição fascinante do sentimento de emoção e apatia, sentimentos tão adversos que foram sentidos no campo de concentração.

Questões existenciais

Primeiramente estas questões existenciais começam a tomar conta dos prisioneiros: Porque eu? Qual o motivo desse sofrimento?

Neste campo de concentração diversos sentimentos surgem para tentar responder tais perguntas.

Com a alimentação escassa por uma sopa rala e tendo que dormir amontoados, aumentava ainda mais a irritabilidade, a solidão e o pensamento no suicídio.

O que amenizava essa dor era o sonho de liberdade, de poder rever seus entes queridos, por imaginar em que situação os mesmos estavam passando neste momento e por uns raros momentos de humor, poemas e teatros improvisados no campo de concentração que alimentavam suas almas.

A experiência no campo de concentração

O livro está divido em três partes. Na primeira parte, Victor descreve a experiência no campo de concentração, bem como as posturas de alguns companheiros. Ele nos conta desde a sua chegada a Auschwitz até sua libertação ao final da guerra.

No campo de concentração é revelador e surpreendente que na atmosfera mórbida e doentia seja possível ver sorrisos e grandes esperanças, mesmo que muitas delas frustradas. O autor transmite uma realidade muito grande em relação aos seus sentimentos, de tal forma que podemos senti-lo.

São tantas circunstâncias adversas, que é impressionante que muitos dos prisioneiros conseguem vencer essa situação de sofrimento com o humor, enquanto outros, com os sonhos de liberdade.

Há também quem relembre a vida antes da prisão para escapar do sofrimento; e, outra forma de escapismo, é por meio da arte, através de poemas, teatros improvisados.

Porém, o pior de tudo era tentar manter-se com aparência jovial e mostrar-se capaz de fazer qualquer trabalho solicitado, para ser poupado de ser enviado para as temíveis câmaras de gás.

Ele comenta como alguns presos agiam com muita maldade perante seus companheiros em relação às posturas de alguns guardas que algumas vezes era muito mais compreensivo do que os próprios prisioneiros.

Outro aspecto importante é a adaptabilidade humana em relação às privações. O autor busca demonstrar como os presos se agarrava a algum mecanismo de apoio para que pudessem sobreviver a mais um dia nesse ambiente mórbido.

A logoterapia

Na segunda parte do livro, o autor usa suas experiências para introduzir o método de logoterapia, cujo aprimoramento deve bastante à experiência em Auschwitz. Esse sistema busca o tratamento do paciente num processo que lhe traga uma plenitude existencial.

A logoterapia (terapia do sentido) abrange a vontade de sentido no ser humano, o sentido da vida. Ao contrário da escola freudiana que diz que as neuroses têm como fontes somente frustrações sexuais.

Viktor Frankl concentra o tratamento em projeções para o futuro. Tem por objetivo tornar a psiquiatria mais humanista.

Por isso, tenta compreender as necessidades do ser humano identificando junto ao paciente um sentido para sua vida.

Sua concepção é que o sentido nos faz humanos e compreendê-lo em cada situação da vida é um estímulo a viver e vencer todo sofrimento, independente de qual é o estágio de seu sofrimento. Para tanto, compreende as necessidades básicas do ser humano, que vão muito além daquilo que lhes atinge imediatamente.

Para Viktor Frankl, o ser é totalmente livre e não são determinados por fatores externos, sociológicos e biológicos. Em relação ao sofrimento sua teoria trás um método de lidar com: dor, culpa e morte.

Otimismo trágico

Na terceira parte, Viktor E. Frankl descreve sobre a tese de otimismo trágico. De acordo com essa tese, a superação individual reside numa escolha, num posicionamento interior que, a despeito da tríade trágica (dor, culpa, morte), explicando a possibilidade de o indivíduo optar pela vida, mesmo diante dessa tríade trágica.

Assim como a leitura do livro O Propósito da Vida, a leitura de Em Busca de Sentido transformará profundamente o seu modo de ver a vida, a sua relação com os momentos de sofrimento.

Sua leitura é indispensável para que possamos refletir sobre qual é o nosso propósito e buscar um sentido para nossa vida. Pois, quando temos um propósito, um objetivo definido, temos muito mais forças para lutar contra qualquer adversidade ao longo do caminho.

Pense em seu propósito da vida,  para enfrentar os desafios que aparecem hoje e, também, estar melhor preparado a segunda metade da vida.

Espero que esse post tenha ajudado vocês a meditarem sobre a sua realidade e como você esta se comportando diante das adversidades que surgem no dia a dia, se o que você vive no teu dia a dia realmente esta alinhado com seu propósito de vida. Leia o livro na integra e depois me conta o que achou.

Boa leitura e até a próxima amigos, há, siga o Blog para nos acompanhar nessa aventura.

Serra do Corvo Branco

A Serra do Corvo Branco  é uma estrada sinuosa e panorâmica situada  em Grão Pará, cidadezinha com  uma população: 6.537 habitantes segundo IBGE/2017.  Grão Pará ocupa uma área de 338 km², a 110 m de altitude e faz divisa com: Urubici, Rio Fortuna, Braço do Norte e Orleans

Chegamos em Urubici final de tarde e seguimos direto para a Serra do Corvo Branco, no início do trajeto dá a impressão que a estrada não leva a lugar nenhum, mas de repente  nos deparamos com dois paredões de pedra que impressionam, e ali começou a descida por uma estradinha toda quebradiça e com despenhadeiros que colocam medo, entretanto a vista é tão linda que logo o medo é substituído pelo sentimento de contemplação.

Vale lembrar que estávamos apenas  com a casinha 4×4 (Terra Bruta), a outra casinha ficou ancorada no camping em Gramado pois ela não passaria ali naquela  estradinha nem que fosse desmontada, por isso não recomendamos passar com trailer ou motorhome grande nessa serra, o risco de acidente é bem alto pois mesmo para os carros pequenos, há trechos em que um tem que parar para o outro passa, e em alguns trechos é complicar dar ré para abrir  algum espaço de passagem.

Para quem quiser ir de trailer pode seguir sentido Grão Pará até Aiurê, e deixar estacionado o Trailer na Cabana Corvo Branco (veja imagens e contato abaixo. A Cabana Corvo Branco é uma lanchonete que havia sido inaugurada a apenas 60 dias quando por lá passamos, e a recepção e acolhida foi tanta que resolvemos deixar o contato aqui para vocês, vale  alertar que eles ainda estão implantando uma área para trailer, motorhome e barracas, portanto é importante ligar com antecedência e combinar certinho valores (no nosso caso eles nem queriam cobrar, mas fizemos questão de comprar algumas coisas na lanchonete deles e de deixar um valor que foi simbólico apenas para agradecer a acolhida, afinal passamos duas noites estacionados lá e utilizamos os banheiros, água e luz deles.

Tel:  (48) 99923-5902 Adriano ou Vanda

Por enquanto a Cabana não oferece chuveiro, tivemos o privilégio de inaugurar a duchinha da nossa casinha. Na primeira noite até colocamos o toldo pra tomar o banho, na segunda noite, bem, na segunda noite nem vou entrar em detalhes, fica por conta da imaginação de vocês, só garanto que entrou pra história…eheh

Veja abaixo mais algumas imagens dessa aventura e até a próxima.

O Poder do Agora

Os seres humanos têm uma forma bastante peculiar de ver a vida. A maioria de nós imagina a vida como uma linha reta, que vai do nascimento até a morte. O momento atual é apenas um ponto que vai se deslocando, cada vez mais longe do nascimento, cada vez mais próximo da morte.

No livro O Poder do Agora, o autor Eckhart Tolle argumenta que essa é uma maneira extremamente equivocada de ver a vida. E que esse é um dos grandes motivos para o sofrimento.

A ideia defendida por Tolle – que encontra ressonância em muitas filosofias orientais antigas, como o budismo – é que a vida é somente o ponto. Não existe a linha reta.

Você pode ter um ataque cardíaco agora e cair morto antes mesmo de terminar de ler este post. Embora conscientemente saibamos disso, não é assim que agimos. Agimos quase sempre como se estivéssemos caminhando na imaginária linha reta.

Eckhart Tolle defende que absolutamente nada existe fora do momento presente. Nem nós mesmos existimos. O passado é apenas uma série de lembranças e o futuro apenas uma série de expectativas.

O Poder do Agora, de Eckhart Tolle

Os pobres e o céu

Ao ler o livro, lembrei-me de trechos de ensinamentos católicos que tive na infância. Um do qual sempre fui bastante crítico foi um dos ensinamentos de Mateus, que dizia “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino do Céu”.

A ideia implícita, na minha interpretação, é que devemos nos contentar com o sofrimento presente para recolher alguma recompensa no futuro.

Isso pode ser aplicado tanto para passar uma vida toda em sofrimento para, depois de morto, desfrutar as maravilhas do céu quanto para um atleta que treina durante quatro anos para obter alguns minutos de recompensa ao conquistar uma medalha em uma olimpíada.

E não é assim que a maioria de nós vive a vida?

Como podemos achar normal perdermos o crescimento de nossos próprios filhos enquanto estamos enfiados no escritório, garantindo um “futuro tranquilo”? De onde vem nossa certeza de que esse futuro realmente existe e que nós estaremos nele?

A prática

Praticar o agora não é algo simples, porque estamos condicionados durante toda nossa existência para encarar a vida como a linha reta que vai do nascimento à morte. Todo o sistema econômico e cultural no qual estamos inseridos enxerga a vida dessa maneira.

No livro, o autor sugere a prática da meditação como uma maneira de treinar sua mente para estar presente na maior parte do tempo.

Outra prática seria você rever toda sua estratégia de vida. Se você deseja experimentar alguma coisa em sua vida, ela deve existir de alguma forma no momento presente.

Em um exemplo clássico, se você quer ter riqueza e liberdade, economizar centavos e trabalhar 18 horas por dia não formam uma boa estratégia. Pois embora seja um caminho para conseguir riqueza e liberdade no futuro, você não sabe se estará lá no futuro. Se tudo o que você tem é o momento presente, não deve sacrificar riqueza e liberdade para conquistar riqueza e liberdade.

Qual o sentido de trabalhar para criar um futuro de riqueza e liberdade se a sua realidade presente é justamente o oposto disso?

Apegar-se a ideias de um futuro ideal, acreditando que um dia tudo estará bem, é um caminho certeiro para diminuir o seu prazer de aproveitar o momento presente.

Projetos de longo prazo

Toda a teoria é bonita, mas como aplicá-la em projetos de longo prazo?

Por mais que queiramos, há inúmeros itens em nossas vidas que precisam ser planejados e pensados para o futuro.

Essa é uma questão que o livro O Poder do Agora não aborda de uma forma satisfatória, no meu ponto de vista. Por isso, deixo aqui minha contribuição, baseando-se em outro livro, A Arte de Fazer Acontecer, em que a metodologia GTD é ensinada.

A verdade é que nenhum de nós consegue executar um projeto de longo prazo. Você não pode perder 15 quilos. Você pode apenas comer menos e melhor na sua próxima refeição. Você não pode construir uma casa. Você pode apenas colocar mais um tijolo. Você não pode abrir uma grande empresa. Você pode apenas ir na junta comercial e registrar seu CNPJ.

Um projeto de longo prazo nada mais é do que uma série de pequenas ações concatenadas. E as pequenas ações, a menor unidade realizável, são executadas justamente no momento presente.

Se focarmos nas pequenas ações como um raio laser, totalmente presentes no momento atual, derrubaremos uma a uma, até que o nosso projeto de longo prazo esteja concluído. Isso é a suprema simplicidade e a melhor maneira de não nos sentirmos sobrecarregados. Construir uma casa pode parecer algo difícil, mas colocar um tijolo a mais na parede é bastante simples.

O que é a vida? A vida é aquilo que passa enquanto estamos fazendo planos. – John Lennon

Esse, no final, é o principal argumento de Tolle no livro O Poder do Agora: ao focarmos no momento presente, estamos desfrutando do melhor da vida ao mesmo tempo em que construímos nosso futuro, se ele existir. Da maneira tradicional, nós ficamos focando no futuro, esperando que tudo um dia esteja bem, enquanto vamos perdendo o que vai acontecendo no momento presente, o único que existe em nossas vidas.

Somos Unos

Bom Dia Pessoas

No jardim da vida, regue com amor e carinho as pessoas que te cercam pra colher flores em forma se sorrisos…

Haribô

Um dia cheio de amor e paz pra todos vocês, e lembrem-se, somos unos com o universo, todos somos um e cada um fazemos parte do todo, cuidem um do outro, cuidem dos animaizinhos e dos mais fracos…cuidem da nossa mãe terra…

Vida, doce vida…

Novamente nos aproximamos do inverno,  o clima gelado e úmido de Campo largo já mostra a sua cara. Ainda é outono, mas já temos muitos dias chuvosos e  cinzentos nos quais a vontade de sair da cama não é uma máxima verdadeira.

Ao amanhecer vamos despertando lentamente e iniciando um dia que prometia ser preguiçoso, neblina, garoa gelada, cama quentinha e logo vem um cafezinho fresquinho feito com grãos selecionados de um arábica pra lá de aromático, passado na cafeteira italiana com todo cuidado que só os amantes de um bom café são capazes de compreender, acompanhado dos tradicionais ovos mexidos sem o requinte das omeletes franceses mas com uma pitada de muito amor e  carregados até a cama em um bandeja lotada de carinho, refletido na arrumação singela  mas cuidadosamente bem organizada em que aquele pratinho redondo, em amarelo ouro para que a nossa  humaninha de quatro patas possa nos acompanhar no dejejum, completa o cenário.

 

 

Enquanto degustamos o café no aconchego da nossa cama coloco-me a pensar sobre as razões que nos fizeram chegar até aqui, como viemos viver em um trailer e o quanto isso tem refletido no nosso crescimento como seres humanos mas especialmente como seres espirituais que somos.

Desde que decidimos viver em um trailer, todo dia é uma nova descoberta, um novo chamado a reflexão. A cada pôr  do sol que apreciamos enquanto tomamos nosso chimarrão sentados de pés descalços na imensidão de grama verdinha, cada vez que sentimos  a  chuva suave caindo e nos fazendo  diminuir o ritmo ou ainda a cada pessoa  que constantemente cruzam nosso caminhos vão nos deixando lições  preciosas.  Vamos descobrindo aos poucos que o dinheiro é preciso, mas que não podemos ser escravos dele e como dizia o poeta, é preciso dizer a ele quem é que manda em quem. É preciso fazer o que amamos, mas principalmente amarmos tudo o que fazemos, nem sempre as tarefas são as mais agradáveis, mas sermos gratos por podermos executá-las nos dá a dimensão da dádiva de estarmos aqui vivos, com saúde perfeita para podermos seguir sempre em frente.

E é essa vontade de seguirmos descobrindo o mundo, especialmente esse mundo que esta imerso no mais profundo do nosso ser, a matriz divina, o código da vida, a alma, a luz que só se revela aos buscadores incansáveis de si mesmos que nos impulsiona a sair da cama aconchegante e ir de encontro aos nossos sonhos. Então em um sobressalto pulamos para a vida e vamos trabalhar no nosso novo projeto, o nosso micro motorhome. Sim parece estranho pois já temos um trailer, mas quem acompanha nosso Blog e nossas redes sociais sabem que enfrentamos vários imprevistos mas que cada um deles, veio na hora que tinha que vir,  e como pessoas que entendemos que na vida tudo há o momento certo, fomos nos adaptando, criando, mudando e agora vamos concluir mais uma etapa do nosso projeto, e ao adaptar a camionete como um carro de apoio, não iremos mais precisar da barraca e  com isso ganharemos mobilidade e agilidade em nossas expedições selvagens, sem falar na segurança em relação a cobras e outros animais com os quais acabamos cruzando pelo caminho.

E assim a vida vai ganhando cor, sorrisos,  experiências, SENTIDO.

20180508_125223

Na nossa Fan Page (link abaixo), você poderá curtir a página e seguir-nos, assim poderá visualizar os vídeos que iremos postar da transformação da carroceria da camionete em um micro motorhome, lá citaremos sobre materiais usados e valores gastos para que você também se anime  ao ver que é possível encontrar soluções simples e viáveis para você realizar o teu sonho de colocar os pés, quero dizer, as rodinhas na estrada.

Nos acompanhe nessa jornada.

https://www.facebook.com/amorsobrerodasPedroeNoemi/

 

Mantenha-se saudável na estrada

Alimentação Paleolítica.

Dando continuidade ao Assunto Alimentação Paleolítica (Alimentação Saudável), vamos falar mais um pouco sobre manter-se saudável ainda que você esteja viajando e não seja muito adpto a fazer seu próprio alimento.

É comum encontrarmos com pessoas que viajam muito ou até que vivem a vida na estrada (como nós), e a grande maioria desses nossos amigos não dão muita importância ao que colocam em suas bocas, muitos em razão da praticidade da vida moderna enchem os armários de seus trailer, vans, kombi, motorhome, barracas ou seja lá que meios usem para viajar, com muita bolacha, pão, margarina, sucos em caixa, achocolatados, caixas e mais caixas de leite, e todo tipo de porcaria que enche a barriga mas não alimenta o corpo, em razão da dita praticidade.

Quando falamos que nossa alimentação é natural, logo vem a pergunta: mas o que vocês comem?

Simples, tudo o que a natureza nos fornece e de preferência que não tenha havido interferência (processamento) humano.

Ao invés de comermos pão comemos ovos mexidos, nosso café é em grãos batido na hora e tomado sem açúcar ou leite, em resumo, quando vamos ao super mercado as únicas sessões em que passamos são das frutas, verduras, ovos e carnes, e lá encontramos tudo, exatamente tudo o que nosso corpo precisa, o resto nós dispensamos. Há, e também frequentamos muito casa de produtos naturais, lá encontramos chia, linhaça, quinoa, canela, cravo, açafrão da terra (cúrcuma), chás diversos, e mais umas coisinhas que usamos no dia a dia.

Pode Comer a vontade.

  • Carne (de preferência vinda de animais que pastam, e não de alimentados com ração/grãos)
  • Peixe e frutos do mar (que não sejam de cativeiro)
  • Frutas frescas (sempre coma a fruta, não faça sucos pois muda a estrutura do alimento)
  • Vegetais frescos
  • Ovos
  • Nozes e sementes
  • Óleos saudáveis (azeite de oliva prensado a frio e consumido frio, óleo de coco, banha de porco)

X Não Pode Comer se a intenção for Perda de Peso

  • Grãos e cereais
  • Leguminosas (como feijão)
  • Tubérculos (como batata-doce, inhame e mandioca)

X Não Pode Comer (ALIMENTOS PROIBIDOS!)

  • Leite e laticínios
  • Açúcar refinado
  • Alimentos industrializados de qualquer espécie
  • Óleos vegetais refinados (óleo de soja, milho, girassol, canola, margarina)
  • Doces, frituras feitas com óleos refinados
  • Gorduras hidrogenadas
  • Glúten

Por Que a Dieta Paleolítica Funciona?

Aprenda por que a dieta paleo funciona mesmo!

A dieta paleolítica funciona porque ela:

  1. Elimina ou restringe da sua dieta fontes de inflamação e alergia
  2. Promove o controle da glicose e insulina no sangue (reduz a resistência à insulina)
  3. Melhora a digestão e absorção dos alimentos (e fortalece sua flora intestinal)
  4. Altamente nutritiva, sacia mais com menos calorias

Essas quatro características da DP fazem as pessoas perderem peso com facilidade, além de melhorar vários marcadores de saúde.

Ainda há poucos estudos científicos sobre a dieta paleo, mas os que já foram publicados mostram ótimo potencial desse tipo de alimentação para emagrecimento, redução de glicemia e redução de riscos de doenças cardíacas,

Como Testar a Dieta Paleo em 3 Passos Fáceis?

Começar na dieta paleolítica é mais fácil do que você pensa

Faça o teste por pelo menos 30 dias. E depois conte para a gente o que aconteceu nos comentários! Queremos ouvir sua história.

Passo #1 – Engatinhando

Diga adeus aos pães e massas na dieta paleo

Para começar na dieta paleo, o primeiro passo é eliminar, cortar ou reduzir ao máximo 3 coisas da sua vida:

  • Açúcar refinado
  • Farinha de trigo
  • Óleos vegetais poli insaturados (óleo de soja, óleo de girassol, óleo de canola, margarina)

Basicamente isso significa parar de comer fritura, pão, massa, doces e refrigerantes.

Isso também vai fazer você parar de consumir tranqueiras que vêm caixa e são compradas nas gôndolas de supermercado.

Cortando estes três elementos, mesmo que você não mude mais nada já vai emagrecer rápido e sua saúde vai melhorar.

Eliminar essas coisas do cardápio pode parecer simples, mas sabemos que não é fácil. Por isso, vale o esforço no começo, porque os resultados desses cortes chegam rápido.

Nos próximos posts sobre o assunto vamos falar de alguns recursos que usamos para tirar agrotóxico de alimentos, as suplementações que fazemos e as melhoras que tivemos em nossas vidas após as mudanças.

Venham conosco e vamos fazer e seja você também um fator de mudança para você e para o mundo.

Roda Quadrada…

RODA QUADRADA…

Roda o quê?

Quadrada?

Não, não e não….

Quadrada mesmo são as mentes pequenas que ouvem e repetem como papagaios um conceito tosco e pejorativo que surgiu no Brasil  logo após a mudança de legislação de trânsito ocorrida em 1997. Há, você assustou-se pois achou que esse conceito sempre existiu?

É Cara Pálida, quero mesmo  que você um ser pensante como acredito que deveria ser, pare para se questionar quanto preconceito existe nessas  duas, aparentemente inocentes palavras significam para quem as ouve. Há, e não se assuste com minha repentina mudança de tom e se o post parecer menos cordial e carinhoso como o habitual, mas o assunto requer um balde de água fria, afinal trailer é que nem bunda, cada um usa o seu como melhor lhe convier.

Mas antes de te explicar o que pensam os “rodas quadradas” em relação aos  que se dizem “redondas” ou mesmo “ovais”, vou contar-lhes um pouquinho de história.

Desde muito jovem sempre adorei  acampar, mas nada de camping com toda infraestrutura, quanto mais selvagem o acampamento, mais me atraia a ideia. Conviver com a natureza, acordar com o canto dos pássaros ou com o som de uma cachoeira sempre me encantou e me ensinou que  o verdadeiro valor das coisas está naquilo que que nos preenche a alma, que nos enriquece como seres humanos e nos apequena diante da grandeza e da perfeição da natureza.

Com o tempo e a “maturidade”  vieram as reponsabilidades do cotidiano e a escravidão imposta pelo sistema,  se instaurou então a necessidade de trabalhar muitas e muitas horas por dia para comprar casa boa, carão, andar feito uma árvore de natal sempre com maquiagem impecável, unhas feitas, cremes até para as rugas que ainda nem nasceram e assim muitos anos se passaram, mas sempre com a sensação que o caminho trilhado estava errado, que algo muito significativo estava faltando. O desejo de percorrer o mundo, conhecer culturas, sujar o coturno de barro, fotografar pássaros, escrever sobre  as experiências culinária, jeito de vestir e viver das diferentes culturas sempre foi uma lacuna a ser preenchida, até que surgiu ele, o protagonista dessa história, que comprou um trailer meses antes de eu aparecer e invadir a vida dele para que juntos vivêssemos essas experiências e aprendizados.

Pois bem,  como toda mudança requer uma adaptação e preparação para acontecer, eis que resolvemos morar em um camping até que tudo estivesse 100% (impossível) resolvido, a ideia era ficar apenas 3 meses, mas os imprevistos  foram vários. Primeiro o carro clonado, depois de um ano para resolver veio o teste para puxar o trailer que não funcionou como deveria, aí tivemos que trocar o carro, junto com a troca do carro vão-se as reservas embora ainda tenham sobrado os anéis (por pouco), aí vem a necessidade de ficar mais um pouco até que tudo vá entrando nos eixos. Nisso se passaram quase dois anos, entretanto, essa demora não nos consome, ao contrário, é uma espera  que faz com que acordemos todos os dias com o canto dos pássaros, que possamos ver o entardecer tomando um chimarrão, nos dá tempo para ler nossos livros, escrever algumas linhas vez ou outra, fazer manutenções em nosso trailer/casa o deixando cada vez mais agradável de se viver, curtir os amigos do camping, e viver diariamente em um espaço verde de 66 mil metros quadrados que nos permite contemplar muitos pássaros, esquilos, cotias, lagartos e até gambazinhos.

Nesse tempo de espera, viajamos de barraca sempre que podemos, com  o trailer também embora seja com menos frequência. A decisão de vivermos em um camping, mesmo que pareça redundante, nos faz viver campistas 24 hs por dia, 365 dias por ano. Viajamos sempre que desejamos sem ter que esperar um feriadão prolongado, se desejamos passar 1 dia, 10 dias ou mais de um mês em algum lugar, nós simplesmente vamos.

Então para aqueles “quadrados” que chegam no camping e arrogantemente nos chamam de rodas quadradas saibam que esse termo surgiu, como citado no início deste post, após a mudança de legislação de trânsito ocorrida em 1997 que fez com que muitas pessoas, a maioria já com uma idade mais avançada não tivesse o interesse de adequar a carteira para uma nova categoria assim forçando muitos dos que tinham trailer rodando a encostarem, em alguns casos para sempre. Esses trailers em sua maioria viraram casas de veraneio ou de campo, na qual a família ia para passar poucos dias, sem que jamais o tirassem do local.

Com os anos foi-se criando um preconceito tosco e mesquinho com aqueles que optaram em viver no trailer (fato que não vemos ocorrendo com quem mora em motor home).  O que as mentes quadradas que possuem esse preconceito não entendem é que quem optou em viver no trailer normalmente são aqueles que já possui uma certa autonomia de tempo e dinheiro para fazer isso, pois o sistema de trabalho e escola de filhos escraviza a maioria que só podem viajar com o trailer uma ou duas vezes por ano e ainda assim quando muito ficam, dificilmente passam de 20 dias.

Muitos aqui no Brasil somente pegaram onda em um preconceito já existente nos EUA em relação a quem mora em trailer, mas sem analisarem as diferenças culturais que são maiores que um oceano.  Nos EUA é comum ter preconceito para quem vive em um trailer, mas lá a coisa é diferente, existem milhares de camping espalhados por todo país, alguns desses possuem mais de dois mil trailers, normalmente o dono dos trailers é o dono do terreno que loca esses espaços e por preços bem baixos, então, quem tem dificuldades para pagar um aluguel nos EUA opta em viver em um trailer, pois estes com o equipamento e mais o aluguel não sai mais que 600 dólares mensais e normalmente se tem  fila de espera para locação, entretanto, em alguns desses espaços há muita violência, uso de drogas, prostituição e os americanos têm lá as suas ressalvas por quem vive nesses espaços.

Há também camping só para pessoas idosas e camping de luxo, que são condomínios lindíssimos que oferecem toda infraestrutura  para se viver maravilhosamente bem, claro que o preço nesses locais são bem diferentes e por aí só já seleciona o seu público que é mais eletizado.

No Brasil o que ocorre é exatamente o contrário do que acontece nos EUA, quem opta em viver em um trailer normalmente já tem uma situação financeira estável   e esta (assim como nós) praticando o desapego, tentando viver de uma forma mais simples e principalmente  mais livre das convenções e prisões impostas pela sociedade. Pena que poucas pessoas já se deram conta desse estilo de vida, a maioria quer um trailer ou Motor home apenas para viagens eventuais, não perceberam ainda o quanto esse estilo de vida podem nos enriquecer culturalmente e especialmente, nos ajudar no desenvolvimento humano.

Sim, nós moramos em um trailer, sim nós não temos endereço fixo e nem compromissos com prazos e em breve menos ainda pois estaremos em uma viagem  pelo Brasil sem data para voltarmos, talvez nem voltemos mais. Iremos passar dois meses, seis, oito, 1 ano parados em alguma cidade do interiorzão, até transbordarmos com a cultura local, até conhecermos o povo, até escrevermos algumas linhas, até que a vontade de seguir em frente se faça prioridade, sem datas, sem calendário.

Então quadrados de plantão, a próxima vez que pensarem em chamar alguém de roda quadrada pense o quão otário essa pessoa deve estar imaginando que você é, afinal, quadrado mesmo é o teu preconceito tosco e mesquinho. Aproveite a oportunidade quando conhecer alguém que vive em um estilo de vida diferente do seu para aprender, para trocar experiências, para evoluir pois é isso que nós fazemos todos os dias da nossa existência.

Até a próxima.

 

NOSSA CASA, NOSSO QUINTAL, NOSSO ENTARDECER…

 

 

Reserva Natural Salto Marato

localizacao

A Reserva Natural Salto Morato está localizada em Guaraqueçaba, no litoral Norte do Paraná. Em 1994, a área foi comprada com o apoio financeiro da The Nature Conservancy e, no mesmo ano, foi reconhecida como Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN). Desde 1996, é aberta ao público e se tornou uma das atrações turísticas do município de Guaraqueçaba (PR). Em 1999, foi reconhecida pela Unesco como Sítio do Patrimônio Natural da Humanidade.

A Reserva Natural Salto Morato abriga uma área de 2.253 hectares de Mata Atlântica e encontra-se em região com expressiva concentração de espécies de aves endêmicas – ou seja, que ocorrem apenas no bioma -, sendo várias delas ameaçadas de extinção.

O local conta com trilhas interpretativas, alojamento para pesquisadores, centro de visitantes, quiosques, camping, centro de pesquisa e laboratório, além de uma estação meteorológica (no padrão do Sistema Meteorológico do Paraná – SIMEPAR), que registra dados climáticos a cada 15 minutos. Não é permitida a entrada de qualquer animal de estimação ou doméstico incluindo, mas não se limitando a: cachorros, gatos, coelhos e aves de qualquer espécie ou porte. A presença desses animais, mesmo acompanhados de seus donos e com documentação de viagem e carteira de vacinação em dia, pode interferir no equilíbrio e na preservação da reserva.

Desde a sua criação, a Reserva Natural Salto Morato dá apoio a pesquisas científicas, disponibilizando estruturas físicas e de pessoal, até o custeio de despesas com transporte, alimentação ou equipamentos de campo, dependendo do objetivo proposto por cada projeto.

Até hoje, foi registrada a ocorrência de 646 espécies vegetais vasculares, 93 espécies de mamíferos, 325 espécies de aves, 36 espécies de répteis, 61 espécies de anfíbios e 55 espécies de peixes na Reserva Natural Salto Morato.  (Dados fornecidos pela Fundação o Boticário). (Dados fornecidos pela Fundação o Boticário).

Assista o vídeo da reserva e se encante:

  • INGRESSOR$ 10,00 (inteira)
    R$ 5,00 (meia)  (na data desta postagem)
  • CAMPING Diária de R$ 15,00 por pessoa.É necessário reservar com antecedência por telefone ou e-mail.
  • HORÁRIOS: De terça-feira a domingo, das 8h30 às 17h30**  (melhor sempre ligar antes pois pode ocorrer que em alguns períodos a reserva esteja fechada).
  • Recomendamos também não chegar após as 16 horas para fazer a trilha até o salto, embora a trilha seja limpa e sinalizada, levamos próximo de uma hora e trinta para percorre-la (ida e volta).
  • CONTATO: morato@fundacaogrupoboticario.org.br(41) 3375-9671

 

***Seja um anunciante no nosso blog, ligue 41-99973-6878  com Pedro ou Noemi, ou envie uma mensagem pelo whatsapp. ***

Acesse o link abaixo e saiba como nosso trabalho pode ajudar a tua empresa a faturar mais:     https://amorsobrerodas.blog.br/patrocinadores/

 

Prudentópolis

Cachoeiras em Prudentópolis

Enquanto  executamos todos os preparativos para nos lançarmos na estrada,  resolvemos ir fazendo algumas viagens mais curtas, somente com a barraca, para irmos esquentando as turbinas.

Conhecer as cachoeiras gigantes em  Prudentópolis não poderia faltar em nosso roteiro, afinal, elas são de fato incríveis, e lá também esta plantada um pouquinho da história do Pedro, que quando meninote frequentou o seminário local, de origem Ucraniana é claro, pois essa é a sua descendência.

A cidade relativamente nova com apenas 107 anos de idade  e com aproximadamente 49 mil habitantes, destaca-se especialmente pelo seu aspecto religioso formada em sua maioria por imigrantes Ucraniano. Consta nos registro que em   1896 ocorreu a entrada de 1.500 famílias, em um total aproximado de oito mil pessoas. A imigração continuou até os anos de 1920, diminuindo ao longo do tempo.

Assim, Prudentópolis tornou-se o município brasileiro que mais receberam ucranianos. Nesse processo de colonização, destaca-se também a vinda de outros povos, como poloneses, alemães e italianos. Esses imigrantes  dedicaram-se à agricultura, pecuária e à pequena indústria, contribuindo para o progresso e a prosperidade da região. Todo esse processo resultou no estabelecimento de Prudentópolis como município, através da lei estadual nº 615, de 5 de março de 1906, com seu território desmembrado de Guarapuava, no dia 12 de agosto do mesmo ano.

Infelizmente em razão do pouco tempo que tínhamos para conhecermos o local, optamos por nos concentrarmos nas cachoeiras e acabamos não podendo visitar o Museu (que estava fechado na ocasião) e as muitas Igrejas, a grande maioria pode facilmente ser  reconhecida pelas belíssimas cúpulas de origem bizantina que majestosamente habitam os topos de toda igreja Ucraniana, seja ela pequenina capela ou uma majestosa Arquidiocese.

A beleza e significado das Igrejas Ucranianas são tamanhos que merece aqui um parágrafo a parte, mesmo incorrendo no risco do texto estender-se demais e fugir um pouco do assunto Cachoeiras, mas falar de Prudentópolis sem frisar esse lado cultural e religioso do seu povo é quase impossível.

Passamos em frente de várias, fotografamos algumas mas não pudemos entrar, ou porque estavam fechadas no horário que passamos ou em razão do nosso tempo apertado para visitarmos o local. Ainda assim a beleza das cúpulas nos causou tanto encantamento que resolvemos pesquisar um pouco mais sobre o assunto e descobrimos o Sr Hryhorij Nedorub, que gentilmente aceita ser chamado de Gregório pela dificuldade em pronunciar seu nome e que aos 76 anos, esse ucraniano morador em Curitiba e imigrante  da região de Poltava é o último artesão a dominar a técnica de construir cúpulas, principal símbolo da arquitetura religiosa ucraniana.

De formato geralmente arredondado e octogonal, elas simbolizam a chama de uma vela que conduz ao céu. “Uma única cúpula significa a fé em um único Deus, três indicam a Sagrada Família ou a fé na Santíssima Trindade e cinco sinalizam Cristo cercado pelos quatro evangelistas. Do lado de dentro, elas ainda reproduzem a abóboda celeste.”

Apesar de toda essa riqueza simbólica, é fácil saber se uma cúpula é de Gregório. Suas marcas registradas são os revestimentos “escamas de peixe” em aço inox ou alumínio, e as esferas de metal abaixo das cruzes. Construtivamente, elas são similares às outras, com esqueleto de madeira ou metal, revestido com tábuas e coberto por telhas, encontradas em algumas Igrejas da cidade de Curitiba. IMG_20160513_124031463_HDR

IMG_20160515_134559240Igreja Ucraniana Nossa Senhora do Patrocínio – foto Pedro Lucavei Filho

igreja prud.0

Bem, vamos as cachoeiras!

Nossa maior dificuldade foi encontrar um Camping na região que tivesse a estrutura adequada para campistas e por um preço justo, é claro. Depois de muito procurar encontramos o Perehosky da dona Izabel que nos atendeu muito bem, embora tenha se esquecido de  nos avisar que a luz na área do Camping era 220V o que resultou em uma lâmpada queimada logo na chegada,  depois nos emprestou um transformador o qual também conseguimos queimar (repusemos por um novo é claro, como manda o bom senso, mas também ganhamos um litro de vinho como cortesia).

Sem nosso fogãozinho elétrico (110V) de duas bocas, companheiro de guerra passamos a fazer café tropeiro e comer só o que a churrasqueira podia nos proporcionar, o quê acabou encurtando nossa estadia em 6 dias (pretendíamos ficar 10, pudemos ficar apenas 4 entre chuva, trovoadas e espasmos de sol), entretanto, a limpeza do local, especialmente dos banheiros merecem nossa consideração, sem falar que dentro do Camping esta localizado a cachoeira Perehosky  que divide-se em uma queda menor próximo as churrasqueiras e outra queda um pouco maior localizada ao lado de um paredão de Pedras que conduz mais a frente a uma pequena caverna que visivelmente esta se aprofundando na rocha devido a umidade que desce pelas raízes das árvores que ficam logo acima. Também possui um poço formado entre as rochas no qual esta fixado  uma placa restritiva de PERIGO.

IMG_20160515_094254090_HDRCamping Perehosky

IMG_20160512_174415473Ache nosso Pet (Duda parceirinha)

IMG_20160512_172711612

Cachoeiras do recanto Perehosky

Recanto Ninho do Corvo

Muito próximo ao recanto Perehosky esta localizado  outro Camping chamado Ninho do Corvo, mas que funciona apenas nos finais de semana e que para acampar é obrigatório comprar  o pacote turístico de trilhas ou Tirolesa, o que torna praticamente inviável pra quem quer acampar durante a semana ou que não tem interesse nos pacotes vendidos. Embora o local seja lindo e o atendimento seja de grande simpatia fato aliás que nos proporcionou o uso do wi-fi para mandar notícias para a família.

Salto São Sebastião:

A segunda queda que visitamos foi a São Sebastião, localizado aproximadamente uns 5 quilômetros do Camping em que estávamos. Lá conhecemos o simpático Sr Igor que nos explicou que estão arrumando o local para poder hospedar visitantes, hoje não há muita estrutura, apenas alguns pequenos quartos e banheiros feitos em madeira bastante simples e sem tomadas específicas para camping, ainda assim, só a receptividade faz ter vontade de ficar por ali.

A trilha a ser percorrida para conhecer a queda leva em  torno de uma hora e é bastante tranquila, para qualquer idade sem grandes atropelos. Há 3 quedas, uma logo no inicio da caminhada bem pequena seguida de outras duas magníficas quedas que ficam quase de frente uma para outra. Uma delas que é a que domina-se de Salto São Sebastião tem em torno de 120 metros de altura e com maior volume de água, nesta é possível chegarmos praticamente ao lado amparados por um guarda corpo gradeado para fazer fotos com maior segurança,

Do outro lado quase em frente fica o Salto denominado Milot que é um paredão de pedras com água em menor volume que se espalha através dele, este com aproximadamente 130 metros de altura.

Quase no final da trilha tem um mirante em madeira, já um pouco judiado pelo tempo, mas que nos proporciona uma bela vista frontal à cachoeira mais volumosa.

Entrada no Salto São Sebastião

Salto Milot (em frente ao Salto São Sebastião)

DSCN6102

Salto São Franciso:

Este sem dúvida foi o salto que causou maior emoção e desafios, começando pela estrada de acesso. Embora estivéssemos em uma caminhonete 4×4 havia lugares que parecia um tanto estreito demais para se passar. Todo o trajeto foi feito em estrada de chão, com muitos buracos e pedras, isso porque optamos em pegar um atalho que segundo os moradores não daria para fazer com um carro de pequeno apenas com tração dianteira, e eles estavam certos. A outra opção seria ir pela Br 277 pela Serra da Esperança, próximo a Guarapuava em que o acesso é mais tranquilo mas bem mais longo do Camping em que nos encontrávamos.

Mas o ponto chave da emoção foi a trilha que resolvemos fazer juntamente com um casal que conhecemos no Camping, eles, com longa experiência em trilhas por todo o Brasil foram  pra nós,  fonte de grande aprendizado.

A grande maioria dos visitantes passeia apenas nas trilhas no topo da cachoeira, onde a paisagem também é linda, mas não se iguala a beleza vista de baixo. É  possível entender porque poucos se aventuram na trilha, afinal são aproximadamente 4 horas de caminhada em terreno inóspito (2 indo e 2 voltando), em alguns lugares é necessário quase uma escalada para superar os obstáculos. Passagens entre pedras escorregadias e entre raízes, galhos ou troncos de árvores, ainda assim vale todo o esforço.

Na volta paramos para apanhar água e também para deixar a Duda (nossa pequena pet) esticar as perninhas e tomar água direto na fonte. Imagine um bichinho que não latiu uma vez sequer, curtiu o passeio confortável na bolsinha que hora era carregado por um, hora por outro especialmente na subida de volta em que o fôlego meu e do Pedro já não era mais o mesmo.

A queda São Francisco é majestosa e considerada uma das mais altas do Brasil, com 196 metros de altura é a única na região que tem entrada gratuita pois é um parque municipal. Possui banheiros limpos, lanchonete, e funcionários uniformizados para prestar suporte ao turista, porém não é permitido acampar dentro do parque.

Vista de baixo é ainda mais imponente e  refrescante (considerando que tava frio e havia chovido, tínhamos que tomar cuidado para não se molhar com os esguichos de água que se formavam quando a água batia nas pedras)

IMG_20160514_130525604
Cachoeira São Francisco

 

Salto São João

 A trilha é muito tranquila e curta. Esta localizada dentro de uma propriedade particular,  cujo proprietário,  tem uma lanchonete e uma pousada logo na entrada da reserva, entretanto ao sentarmos para degustar um peixinho frito e uma porção de aipim tivemos a oportunidade de conversarmos um pouco com o proprietário e descobrimos que ele fez um bom investimento na estrutura como piscina, restaurante e a pousada e esqueceu do mais importante, aventureiro gosta mesmo é de camping, e nesse quesito deixou a desejar pois nem mesmo banheiros exclusivos, ou pontos de luz, ou ainda uma pia, fogão e geladeiras comunitários haviam no local para atender campistas, uma pena porque foi o único que encontramos na região que tem piscina e se ele tivesse olhando para o lado certo poderia lotar nos períodos mais quentes. Demos a dica como amantes do  campismo que somos, dicas aliás que foram bem recebidas pelo proprietário e nos pareceu um pouco perdido e incrédulo com o sucesso do negócio em razão do baixo movimento e faturamento.

A cachoeira embora imponente com seus 84 metros de queda, não nos impressionou muito pois dá para ver muito pouco do topo dela e não tem trilha para descer. Ao longe da estrada tem um ponto em que as pessoas param para tirar fotos de frente, mas a visão é relativamente longe.

IMG_20160515_144400326

 IMG_20160515_160957717_HDR

   

Salto Barão do Rio Branco

 Situado no Rio dos Patos, com 64 metros de altura e significativo volume de água, o Salto Barão do Rio Branco é utilizado para a geração de energia elétrica, através de uma Pequena Central Hidrelétrica, de propriedade da “Santa Clara Indústria de Cartões”.

O Salto me pareceu tão perigoso quanto imponente. Logo na entrada dá para perceber o descaso com os visitantes. Faltam placas sinalizando a chegada ao local, logo na entrada existem algumas casas e uma placa de “PROIBIDA A ENTRADA” o que gera dúvidas se o local é o correto. O Pedro seguindo dicas de pessoas que cruzamos pelo caminho resolveu arriscar, mas confesso que o local me deu frio na espinha. Por ser uma usina para geração de energia, é preciso primeiro passar uma ponte gradeada metálica, assim tivemos acesso ao topo da cachoeira que não tinha grades de segurança, ou melhor, tinham duas distantes uma da outra e já tortas pelo tempo e falta de manutenção. Depois encontramos uma escada imensa que desce ao lado de uma tubulação gigantesca, é assustador, mas o pior mesmo é que havia uma placa no topo da escada alertando para acidentes e risco de afogamentos. Bem, não preciso dizer que o Pedro resolveu sob meus protestos de descer sozinho, e eu lamentei por tamanho descaso em uma das cachoeiras com maior volume de água e belíssima que encontramos pelo caminho.

B.R.B.

Salto Manduri

 O local, também conhecido como Recanto Rickli é muito bonito e bem estruturado, com piscina, restaurante, banheiros e nos pareceu tudo muito limpo e organizado, entretanto o simpático atendente nos informou que não é mais possível acampar no local devido a onda de assaltos que estavam ocorrendo, é, até no paraíso os bandidos já chegaram.

Com muita atenção fomos conduzidos para conhecer o salto que não é muito alto, apenas 32 metros de altura, entretanto possui 100 metros de largura, ótimo pra praticar meditação ouvindo o som da água caindo.

salto manduri

Salto Sete

O Salto Sete é uma cachoeira com 77 metros de altura localizada a apenas 11 km do centro de Prudentópolis.
O lugar é repleto de belezas naturais: rios, nascentes, cachoeiras, animais silvestres e o maior canyon de Prudentópolis.
Pode ser praticado esportes radicais como: cascading, rapel e tirolesa. Somente com agendamento.

Possui também  pousada em forma de chalezinhos, bem simpáticos por sinal e um grande salão para eventos muito bonito e bem estruturado. A simpatia dos atendentes é impar, e até o cãozinho da casa nos serviu de guia e ficou assim, digamos, meio apaixonado pela Duda, tivemos que ficar de olhos nesses dois (risos).

Lamentamos por não podermos fazer uma trilha no local sem agendamento prévio, pois a cachoeira só pode ser vista de cima e de longe e a visibilidade não é das melhores.

DSCN6132

Este post já ficou muito extenso, então vamos nos despedindo por aqui com uma breve recomendação, VÃO CONHECER PRUDENTÓPOLIS, vale a visite com toda certeza, nós ainda vamos voltar com mais tempo pra pesquisar cada pedacinho  da cidade, um abraço amigos e até a próxima.

 

***Seja um anunciante no nosso blog, ligue 41-99973-6878  com Pedro ou Noemi, ou envie uma mensagem pelo whatsapp. ***

Acesse o link abaixo e saiba como nosso trabalho pode ajudar a tua empresa a faturar mais:     https://amorsobrerodas.blog.br/patrocinadores/

 

Reserva Ecológica Saltinho – Tijucas do Sul

Recanto Saltinho, localizado em Tijucas do sul é um local para ficar em harmonia com a natureza ouvindo o som espetacular da cachoeira que desce pelas pedras logo em frente ao restaurante cuja comida é feita com muito capricho. Para quem quiser passar finais de semana tem chalés para locação ou um Camping com toda infraestrutura, infelizmente não foi possível irmos com o Trailer pois as ruas que ficam internas na reserva são curvilíneas, de chão e muito esburacadas o que impossibilita o acesso, mas com carro de passeio é tranquilo.

O Parque Recanto Saltinho é o principal cartão postal do município de Tijucas do Sul, no Paraná. Localizado a aproximadamente 75 km de Curitiba-PR e 100 km de Joinville-SC, o parque conta com restaurante, espaço para eventos, churrasqueiras, camping, cachoeira e área para passeio em meio à natureza.

O espaço foi aberto ao público na década de 80 pelo falecido proprietário Seu Tito Gava. Nos anos 90, o Recanto Saltinho tornou-se um ponto turístico bastante conhecido, principalmente em Curitiba e Região Metropolitana. Hoje, o parque é administrado pela empresa Caminho Natural Alimentação e Lazer, pertencente a grandes amigos do Seu Tito Gava.

Além da beleza encantadora do lugar e a saborosa comida, o trabalho realizado em família e com colaboradores que estão há muitos anos no Recanto, fazem do Saltinho um lugar ideal para curtir com toda a família e amigos.

http://recantosaltinho.com.br/site/?page_id=23

 

***Seja um anunciante no nosso blog, ligue 41-99973-6878  com Pedro ou Noemi, ou envie uma mensagem pelo whatsapp. ***

Acesse o link abaixo e saiba como nosso trabalho pode ajudar a tua empresa a faturar mais:     https://amorsobrerodas.blog.br/patrocinadores/

 

Natal no Palácio Avenida em Curitiba

Qual a pessoa que não ouviu falar do natal em Curitiba, ou natal do HSBC, no Palácio Avenida, o espetáculo acontece todos os anos em Curitba, desde o tempo do banco Bamerindus, que vem encantando e iluminado a todos que assistem,  no ano de 2009 foi o 19° acontecimento.

 

O banco HSBC vem realizando a festividade com a comunidade, onde 11 casas lares de Curitiba e região, mais de 150 crianças tem a oportunidade de mostrar seu talento, seu crescimento, a sua cultura e seu artístico, bem como a sua formação como cidadão na sociedade.

Todos os anos são apresentados temas diferentes, com queimas de fogos, e a cada ano Atores são trazidos para fazer parte do espetáculo,  não há como não sentir  a emoção do espírito natalino, onde mais de 200 mil pessoas passam pela  praça para assistir, o inicio as apresentações começam no final do mês de Novembro e vai até o final do mês de Dezembro, com o apoio de mais de 400 pessoas, sendo elas músicos, aderecistas, contra-regra, produtores, cantores, eletricistas, bombeiros, médicos, e voluntários que acompanham as crianças na hora da apresentação, para ser um voluntários segue o site para a inscrição, http://www.portaldovoluntariohsbc.com.br.

Várias músicas natalinas são encenadas e cantadas como, We wish you a merry Christmas. All you need is love (beatles), Então é natal, Noite Feliz, dentre outras, outros idiomas são cantadas também em espanhol, inglês, alemão, japonês.
Curitiba conta com uma infra-estrutura para receber turistas de todos os lugares envolvendo policiamento, segurança, transporte, vários hotéis na cidade que recebem os turistas.
Alguns hotéis estão localizados ao lado do Palácio Avenida, e o turista têm o privilegio de assistir do próprio hotel as apresentações.
O Palácio Avenida é um importante edifício histórico de Curitiba, a edificação foi datada em 1929, erguida pelo imigrante e comerciante sírio-libanês Feres Merhy .
Possui uma área de 18 mil metros quadrados,antigamente era  o cine avenida, cafés (Bar Guairacá).

No final da década de 1980 o Palácio Avenida atingiu seu ponto de maior degradação estrutural. Apenas sua fachada remanescia relativamente intacta, foi recuperado e reaberto pelo banco Bamerindus.
Depois houve a venda do banco Bamerindus e passou a ser o banco HSBC.
Hoje é a  atual agencia bancaria HSBC, espaço cultural, e teatro avenida.
E com suas janelas o Palácio Avenida nos da o prazer de assistir um  espetáculo natalino todos os anos, com muitas luzes e a alegria do natal.

***Seja um anunciante no nosso blog, ligue 41-99973-6878  com Pedro ou Noemi, ou envie uma mensagem pelo whatsapp. ***

Acesse o link abaixo e saiba como nosso trabalho pode ajudar a tua empresa  a faturar mais:     https://amorsobrerodas.blog.br/patrocinadores/

Pontos Históricos e Culturais em Curitiba

Neste pôster vamos colocar  dicas de alguns pontos  culturais em Curitiba que valem a pena dar uma passadinha pra conhecer.

TEATRO GUAÍRA

http://www.escoladedancateatroguaira.pr.gov.br/modules/video/showVideo.php?video=13358

teatro guaira

TEATRO LALA SCHNEIDER

http://www.teatrolala.com.br/?menu=sobre

Teatro Lala schinaider

CATEDRAL DE CURITIBA

Catedral

A Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Luz de Curitiba fica na Praça Tiradentes. É um dos mais importantes patrimônios culturais da Cidade. Construída de 1876 a 1893, em estilo neogótico, segundo o projeto do arquiteto francês Alphone de Plas. Ocupa o mesmo local da antiga matriz do século 17, bem como o da sua sucessora, construída em 1720.

Até 1892, a paróquia de Curitiba estava subordinada à Sé Primacial da Bahia. A antiga Igreja Matriz foi elevada à categoria de Catedral, em 27 de abril de 1892, com a criação da Diocese de Curitiba, pela bulaAd universas orbis ecclesias, do papa Leão XIII. A Diocese foi instituída em 30 de setembro de 1894, com a posse do primeiro bispo dom José de Camargo Barros. Em 10 de maio de 1926, foi elevada à categoria de Arquidiocese.

Como suas antecessoras, a Catedral é dedicada e abriga a imagem de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, Padroeira de Curitiba. É Catedral Basílica Menor desde 8 de setembro de 1993, quando completou 100 anos.

IGREJA DO ROSÁRIO DOS PRETOS

Igreja do Rosário

A atual Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos de São Benedito é uma construção de 1946, em estilo barroco. Construída no mesmo local da antiga igreja, demolida em 1931.

A primeira igreja do Rosário foi construída por escravos e para os escravos, inaugurada em 1737, em estilo colonial. Era a terceira igreja de Curitiba, depois da Matriz e da Igreja da Ordem. O nome original era Igreja de Nossa Senhora dos Pretos de São Benedito. Com a abolição da escravatura, a igreja perdeu sua razão original de ser. Serviu de matriz de 1875 a 1893, durante a construção da Catedral, na Praça Tiradentes.

Mais informações sobre cultura negra em Curitiba e o antigo templo►

Em 1951, foi confiada aos jesuítas. Na década de 1970, passou também a ser chamada de Santuário das Almas, onde se realiza com frequência missas de corpo presente.

A fachada atual ainda tem azulejos da igreja original. Seu interior abriga azulejos portugueses, com os Passos da Paixão, e o túmulo do Monsenhor Celso, antigo pároco de Curitiba, falecido em 1931.

Fica na Praça Garibaldi, Centro Histórico.

O PAÇO DA LIBERDADE

Paço da Liberdade

O antigo prédio do Paço Municipal foi restaurado e reinaugurado como Paço da Liberdade, em março de 2009.

Construído de 1914 a 1916 no antigo Largo do Mercado, segundo o projeto do engenheiro e prefeito Cândido de Abreu. O prédio do Paço Municipal foi sede da Prefeitura de Curitiba até 1969 e sede do Museu Paranaense, de 1973 a 2002.

O edifício histórico de arquitetura eclética, com elemento sart-nouveau, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, em 1941. A restauração manteve todas as características externas do prédio.

O atual Paço da Liberdade é um centro cultural multifuncional administrado pelo SESC Paraná, que obteve a concessão da prefeitura municipal por 25 anos. As atividades culturais incluem cursos, exposições e palestras.

São quatro andares. O térreo possui sala para acesso livre a internetbiblioteca e o Café do Paço. O segundo andar tem sala de aula, o Cine Pensamento e o Laboratório de Artes Eletrônicas. O terceiro pavimento abriga ambientes para conferências, apresentações artísticas e gravações de bandas independentes. O último andar abriga o Espaço das Artes e o Estúdio Pedagógico.

A entrada principal fica na praça Generoso Marques. A entrada do Café do Paço é feita pela praça José Borges de Macedo, no Centro.

http://www.sescpr.com.br/unidades/sesc-paco-da-liberdade/

MUSEU DO EXPEDICIONÁRIO

Museu do Expedicionário

O Museu do Expedicionário, criado em 1946, ilustra a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial e, em especial, a participação dos soldados paranaenses.

Possui farto material histórico, incluindo muitas ilustrações, mapas, livros e documentos da época. Estão expostos vários materiais bélicos e armamentos utilizados na guerra pela Força Expedicionária Brasileira, pela Força Aérea Brasileira e pela Marinha de Guerra do Brasil.

O Museu do Expedicionário é  mantido pela Legião Paranaense do Expedicionário, órgão dos ex-combatentes  que serviram na Força Expedicionária Brasileira, durante a Segunda Grande Guerra.

Na Praça do Expedicionário, local onde fica o museu, estão expostos um tanque de guerra, um avião Thunderbolt e outros equipamentos de guerra utilizados no conflito mundial.

Fica na praça do Expedicionário, Alto da XV.

Universidade Federal do Paraná

UFPR

A UFPR foi criada em 04 dezembro de 1950, pela Lei nº 1.254, em um processo de federalização da antiga Universidade do Paraná, iniciado pelo baiano Clemente Mariani, o Ministro da Educação, na época.

A Universidade do Paraná era uma instituição estadual, fundada em 01 de abril de 1946. Foi a segunda instituição com o nome de universidade criada no Estado. Herdou as unidades da primeira Universidade do Paraná, uma instituição particular, fundada em dezembro de 1912, que começou a funcionar em março de 1913 e extinta antes de 1918, por não atender a requisitos legais da época. Suas unidades foram novamente reunidas quando da fundação da Universidade do Paraná, em 1946.

Localizada na Praça Santos Andrade.

***Seja um anunciante no nosso blog, ligue 41-99973-6878  com Pedro ou Noemi, ou envie uma mensagem pelo whatsapp. ***

Acesse o link abaixo e saiba como nosso trabalho pode ajudar a tua empresa  a faturar mais:     https://amorsobrerodas.blog.br/patrocinadores/

Universidade Livre do Meio Ambiente

A Universidade Livre do Meio Ambiente, Unilivre, é uma sociedade civil sem fins lucrativos. Um espaço para transferência de conhecimentos sobre o meio ambiente e ecologia, para a população. Uma referência em estudos de preservação de ecossistemas, economicamente sustentáveis.

615303401_6cd317374f_b

A Unilivre foi inaugurada em 1992, com a presença do oceanógrafo Jacques Cousteau. Posteriormente, foi declarada de utilidade pública por lei municipal (1993) e estadual (1996).

g_universidade-livre-do-meio-ambiente-fotoitamar-neiva

Está encravada no Bosque Zaninelli, que possui 37 mil m². No local, havia uma pedreira explorada pela família Zaninelli, desativada em 1983. O bosque possui densa mata nativa, várias espécies de aves e um lago com de 8 metros de profundidade, onde existem carpas.

unilivre

A sede da Unilivre é basicamente uma torre de madeira que integra-se ao meio ambiente. Foi construída com troncos de eucalipto (vigas e pilares) e complementada com imbuia, cambará, cedro e vidro. Uma rampa em espiral dá acesso a salas de aula, escritório e um mirante de 25m. É um projeto do arquiteto Domingos Bongestabs, que também assina o projeto da Ópera de Arame.

Fica na rua Victor Benato, 210. Pilarzinho.

Site oficial: www.unilivre.org.br.

 universidade_livre_do_meio_ambiente_unilivre_21_12183438_orig.jpg

***Seja um anunciante no nosso blog, ligue 41-99973-6878  com Pedro ou Noemi, ou envie uma mensagem pelo whatsapp. ***

Acesse o link abaixo e saiba como nosso trabalho pode ajudar a tua empresa  a faturar mais:     https://amorsobrerodas.blog.br/patrocinadores/

Cânion de Guartelá

 

Cânion Guartelá é um cânion brasileiro situado no planalto dos Campos Gerais, entre os municípios de CastroTibagi, no Paraná. É considerado um dos maiores cânions do mundo em extensão, o 6° mais longo do mundo e o mais longo do Brasil. O Cânion do Guartelá é uma garganta retilínea com cerca de 30 km de extensão e desnível máximo de 450 metros. Foi escavado pelo Rio Iapó, que pelo cânion consegue atravessar a Escarpa Devoniana, paredão que separa o Primeiro do Segundo Planalto Paranaense.[1] Em 1992 foi criado o Parque Estadual do Guartelá com o objetivo de assegurar a preservação do mesmo.[2] Continuar lendo Cânion de Guartelá

Parque Estadual Vila Velha

Considerado o principal atrativo Natural de ponta Grossa, esta Unidade de Conservação é composta por três principais elementoimagess: Arenitos, que são formações rochosas que apresentam formas variadas, como: a taça, o camelo, entre outras; Furnas, que se caracterizam por grandes crateras com vegetação exuberante e água no seu interior (lençol subterrâneo) e Lagoa Dourada que possui este nome porque ao pôr do sol suas águas ficam douradas.
O Parque Estadual de Vila Velha, que durante os anos de 2002 e 2004 esteve em processo de revitalização, teve algumas de suas áreas recuperadas. Todos os passeios são feitos por trilhas e acompanhados de guias do próprio parque.

visualiza

Tombado pelo Departamento do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado em 1966, abriga uma fauna variada: lobos-guará (já raros), jaguatiricas, quatis, gatos-do-mato, cachorros-do-mato, iraras, furão, catetos, veados, tatus, pica-paus, pombas, perdizes, tamanduás-bandeira e mirins, diversos tipos de aves, entre outros.

vila_velha5A responsabilidade administrativa do parque é do IAP (Instituto Ambiental do Paraná).
O acesso se dá pela rodovia BR 376 (Ponta Grossa -Curitiba), Km 28 a partir de Ponta Grossa, saída pela Av. Visconde de Mauá ( Oficinas) ou Av. Visconde de Taunay (Ronda).

sitemgr_furnas199

Observação: * Transporte coletivo para o Parque Estadual de Vila Velha no Terminal de Oficinas pela LINHA VILA VELHA. Para acesso ao Terminal de Oficinas pode-se pegar a Linha T. Central/ Oficinas no Terminal Central.

Horário de Visitação: 8h30 às 15h30.

* Fechado às terças-feira para manutenção.

Entrada:
– Brasileiros:        R$ 18,00 (Furnas, Arenitos e Lagoa Dourada)
R$ 8,00 (Furnas e Lagoa Dourada)
R$ 10,00 (Arenitos)
– Estrangeiros:    R$ 25,00 (Furnas, Arenitos e Lagoa Dourada)
R$ 10,00 (Furnas e Lagoa Dourada)
R$ 15,00 (Arenitos)
– Estudantes com carteirinha e residentes com comprovante de luz/água/ título de eleitor pagam MEIA-ENTRADA.
– Pessoas acima de 60 anos, crianças até 6 anos e portadores de necessidades especiais são ISENTOS DE TAXA DE ENTRADA.

Telefone: (0** 42) 3228-1138

**Obs:  Os preços acima eram da época dessa postagem, sendo que os mesmos podem estar desatualizados. Entre em contato com a administração do parque para maiores informações.

Passeio De Trem

São 110 quilômetros viajando pela maior área preservada de Mata Atlântica do Brasil e por uma ferrovia com 128 anos de história. O Trem da Serra do Mar Paranaense parte diariamente de Curitiba rumo à cidade de Morretes. São aproximadamente 3 horas de viagem.

Histórico

FERROVIA PARANAGUÁ – CURITIBA

tremserraverde2

A construção da ferrovia começou oficialmente em fevereiro de 1880. Considerada impraticável por inúmeros engenheiros europeus da época, a obra teve início em três frentes simultâneas: entre Paranaguá e Morretes (42 km), entre Morretes e Roça Nova (38 km) e entre Roça Nova e Curitiba (30 km)

O objetivo era estreitar a relação entre as cidades do litoral paranaense e a capital do estado, com vistas ao desenvolvimento social do litoral. Além disso, era imprescindível ligar o Porto de Paranaguá aos estados do Sul do Brasil, para que se desse vazão à produção de grãos dos estados e, dessa forma, garantir apoio ao desenvolvimento econômico da região.

trem58

Para a obra, foram recrutados mais de 9.000 homens, que ganhavam entre dois e três mil réis por jornada. A maioria deles vivia em Curitiba ou no litoral, e era composta de imigrantes que trabalhavam na lavoura.

  trem (1)

O esforço e ousadia de trabalhadores braçais, engenheiros e outros profissionais resultou numa das mais ousadas obras da engenharia mundial. Depois de cinco anos, a ferrovia foi inaugurada em 02 de fevereiro de 1885. Participaram da primeira viagem engenheiros, autoridades federais e locais, jornalistas e outros convidados. A viagem entre Paranaguá e Curitiba durou nove horas: ao chegar à Capital, mais de 5.000 pessoas aguardavam o trem. 
download

Em seus cento e dez quilômetros de extensão, a ferrovia guarda centenas de obras de arte da engenharia: são 13 túneis ativos e 1 desativado, 30 pontes e inúmeros viadutos de grande vão. Destacam-se a Ponte São João, com 55 metros de altura, e o Viaduto do Carvalho, que liga os túneis 4 e 5, assentado sobre cinco pilares de alvenaria na encosta da rocha – a passagem por esse trecho provoca a sensação de uma viagem pelo ar, como se o trem estivesse flutuando. Foi a primeira obra com essas características a ser construída no mundo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Poucos destinos no Brasil têm o valor histórico dos passeios pelos trilhos da Serra Verde Express. É compromisso da Empresa mantê-lo em funcionamento de forma sustentável, com respeito à Serra do Mar que cerca todo o caminho e também às pessoas que fazem possível sua existência: turistas, funcionários da Empresa e outros profissionais do Turismo.

5bqws74t646r9yz7oxsk0r8fl

 

Siga nosso Blog e descubra como aprendi a ganhar dinheiro com Marketing Digital e viver de Internet para poder viajar o Brasil e a América Latina.

%d blogueiros gostam disto: