Arquivo da categoria: A vida em um Trailer

Camping Santa Catarina

ATENÇÃO: CASO ALGUM TELEFONE, ENDEREÇO OU SITE ESTEJAM DESATUALIZADOS PEÇO QUE POR GENTILEZA ENTRE EM CONTATO CONOSCO NOS INFORMANDO PARA QUE POSSAMOS ATUALIZAR. Esta lista tem apenas a função informativa a fim de ajudar aqueles que estão na estrada e buscam um lugar para acamparr

Apiúna

Camping Ativa – BR 470, Km 109, São Pedro. Tel. 47 3353-1392.


Aberlardo Luz

Camping Prainha – Tel. 49 3445-4213 e 3445-4380.


Águas de Chapecó

Águas de Chapecó – Rua Florianópolis nº 92, SC-283. Tel. 49 3725-4661.


Araranguá

Camping Morro dos Conventos – Estr. p/ Morro dos Conventos, Km 13. Tel. 48 3526-7089 / 3526-7105..
www.hotelmorrodosconventos.com.br

Camping Lago Dourado – Rod. Municipal 227 Km 7. Tel. 48 3526-7070.
www.qlitoral.com.br/lagodourado

Camping Lagoa da Serra – Estrada p/ Balneário Arroio do Silva, 6,5km. Tel. 48 3522-1716.

Camping Arroio Da Silva – Rua Timbé Do Sul. Tel. 48 3522-1162.


Balneário Arroio do Silva

Golden Park – Estrada para o Arroio do Silva (SC-449), km 2. Tel. (48) 3522-1348.

Camping Lagoa da Serra – Estrada para o Arroio do Silva (SC-449), 6,5km. Tel. 48 3552-1716.


Balneário Barra do Sul

Camping Barra do Sul – Av. São Francisco, nº 1760 – Bairro Salinas km 57 da BR-101.
Tel. 47 3448-1177.

Camping Central – Rua Antonio I da Cunha nº 33. Tel. 47 3448-1133.


Balneário Camboriú

Camboriú Barra Sul – Av. Beira Rio nº 1350. Tel. 47 3361-1497.

Camping Estaleirinhos – Trav. Geral, sn Km 125 – BR101. Tel. 47 3368-2464 / 3368-2621

Camping Recanto verde, praia do Estaleiro. Sr. João, Judite e Raul

Rua Domingos Mafra, S/No Praia do Estaleiro – Balneario Camboriu

Fones:- 47-9967.8850 e 9967.0115

Vip camping – R.Emanoel Rebelo dos Santos,866 – bairro da barra –tel.47 33675829/88433220

Camping Eucaliptos – Rua 4.502 nº 162. Tel. 47 3361-4614.

Camping Oásis – Av. do Estado nº 2850. Tel. 47 3366-3028.

Camping Praia Do Pinho – Tel. 47 3391-6010 e 3367-6977.
www.praiadopinho.com.br

Camping Parque Camboriú – Rua Manoel Correia, acesso pela Br-101 Km 139
Tel. 47 3344-2409.

Camping 3.300 – Rua 3.300, S/Nº. Tel. 47 3361-0660.

Barra Velha

Uai ! Camping Chalé – Rua Arthur Zimmermann, 93 – Praia do Tabuleiro. Tel. (047) 3456.2483.
uaicamping@uol.com.br
http://uaicamping.sites.uol.com.br


Blumenau

Morro do Spitzkopf
– Rua Bruno Schreiber nº 3777 – Bairro Progresso. Tel. 47 3336-5422.

Camping Recanto Silvestre – R. Sta. Maria, 4269 (Progresso), 14,5km. Tel. 47 3336-5447.


Bombinhas

Camping Paraíso Tropical – Rua Landim nº 168, Canto Grande. Tel. 47 3393-3143 / 3393-3177.
A área é pequena (cerca de 50 módulos para barracas), boa estrutura e organização, sendo bem arborizada.
Possui churrasqueiras coletivas, play ground e área específica para motor-homes.
www.ptropical.com.br
reservas@ptropical.com.br

Camping Costão – Rua Águia, 332. Tel. 47 3393-6106 / 3369-1402.
Localizado no canto esquerdo da Praia de Bombas
Com a área destinada a barracas e um prédio central reunindo as baterias de banheiros, churrasqueira coletiva,
espaço com televisão e mesas e cadeiras à disposição dos campistas.
A área também é pequena (cerca de 90 módulos), portanto se for para um final de ano ou
carnaval é recomendável contato prévio com qualquer desses campings.
O Camping não aceita Motor Homes

Camping Retiro dos Padres – Estr. Retiro dos Padres – Rua das Garoupas (Praia do Retiro). Tel. 47 3369-2467.
Fica em frente a uma pequena e bonita praia
Lindo visual do mar, pedras e morros em torno, o que torna um lugar bastante agradável para acampar

Camping Brilhos do Sol – Rua Tiriba, 41 . Tel. (47) 3369-1425
www.brilhosdosol.com.br

Bombinhas Camping & Paddle – Rua 10, S/N – Praia de Bombas. Tel. 47 3369-1602.
Aceita somente barracas

Camping Por do Sol – Av. Girassol, 1693
Tel: (47) 3369 3049

Camping Canto da Lua – Praia da Conceição
Tel: (47) 3393 3451

Camping Maravilha – Rua Pitangueira
Tel: (47) 3393 3117

Camping Bela Vista – Av. Vereador Manoel José dos Santos
Tel: (47) 3369 2728

Camping 4 Ilhas – Rua dos Atóis, s/nº – (47) 3369 2124
www.4ilhascamping.com.br
e.q.q@terra.com.br

Camping Santa Catarina – Av. Vereador Manoel José dos Santos, 822
Tel: (47) 3369 2087

Camping Sol de Verão – Av. Girassol
Tel: (47) 3369 3152

Camping Sombra e Mar – Rua Canário, 435
Tel: (47) 3393 6311

Camping Águas Cristalinas – Av. Vereador Manoel José dos Santos, 400
Tel: (47) 3369 2255

Camping Bombinhas – Av. Vereador Manoel José dos Santos
Tel: (47) 3369 2322

Camping Marolas – Av. Vereador Manoel José dos Santos, 174
Tel: (47) 3369 4103

CAPINZAL

AABB = 49 – 3555.1281  FAX  1171

www.capinzal.aabb.com.br

Dionisio Cerqueira

AABB = 49 – 3644.1348


Florianópolis

Camping dos Açores – Est. Geral do Campeche. Tel. 48 3237-4163.
www.guiafloripa.com.br/campingdosacores

Camping Águas Verdes – Rua Geral nº 65 – Bairro dos Ingleses. Tel. 48 3269-1843.

Camping Balneário São Miguel – acesso pelo km 187,5 da BR-101 p/ Curitiba (Biguaçu)
Tel. 48 3243-3245.

Camping Canasvieiras – R. Mário Lacombe, 179 (Canasvieiras), 27km. Tel. 48 3266-0457.

Camping Candango – Av. Me. Maria Vilac, 866 (Canasvieiras), 28km.

Camping Croa – Av. Tertuliano Brito Xavier, 2630 (Praia de Jurerê), 26km. Tel. 48 3266-1980
www.netcidade.com.br/campingcroa
campingcroa@attglobal.net

Camping Golfinhos – Rua dos Golfinhos (Praia dos Ingleses). Tel. 48 3244-5566.

Camping Lagoa da Conceição – Av. das Rendeiras, 1480 (Lagoa da Conceição), 15km
Tel. 48 3232-0555.

Camping Rio Vermelho – Rod. João Galberto Soares s/nº. Tel. 48 3232-4067.

Camping Eucaliptos – R. Me. Maria Vilac, s/n. Tel. 48 3266-0748 / 3266-1080.

Camping Verde Limão – Praia da Barra da Lagoa, s/n. Tel. 48 3232-3019.

Camping Trilha do Sol – R. Leonel Pereira. Tel. 48 3266-0249.

Camping Suvaco das Cobras – Est.Geral de Jurere, 2630. Tel. 48 3266-1980.

Camping Barra – Estrada GEral da Barra da Lagoa. Tel. 48 3232-3199.

Camping Costa do Sol – R.Clorinda Ventimiglia, s/n. Tel. 48 3266-1799.

AABB = 48 – 3028.9395 

http://www.aabbflorianopolis.com.br



Garopaba

Camping Lagoa Mar – Rua Lagoamar, s/nº, Garopaba. Tel. 48 3254-3187.
www.lagoamar.com.br

Camping Garopaba – Rua Nereu Ramos nº 115. BR-101, km 272. Tel. 48 3254-3256.

Jardim da Lagoa – a 70km ao sul de Florianópolis. Rua Rosalina de Aguiar Lentz, s/nº.
Tel. 48 3254-3156.

Camping Marquinho – Rua Aderbal Ramos nº 46. Tel. 48 3254-3232.


Gravatal

Termas do Gravatal – Termas do Gravatal, 4km. BR-101, km 335. SC-348 mais 20km.
Tel. 48 3648-2122.


Içara

Aquático Parque Verde – Lagoa do Faxinal, 17km. Tel. 48 3468-1091 e 3433-0266.

Campestre Iate Clube – Lagoa dos Esteves, 18km. Tel. 48 3468-1223.

Camping Lagoa dos Esteves – Lagoa dos Esteves, 18km. BR-101, km 381. Tel. 48 3468-1223.

Rincão Piloto – Av. Leoberto Leal, 215 (dist. de Rincão) 16km. Tel/Fax. 48 3468-1754.

Camping Esplanada – Rua Ipiranga, 305 – Centro.


Imbituba

Camping Jangadeiro – Rua Quintino Bocaiuva nº 10 – Praia de Imbituba. Tel. 48 3255-0092.

Camping Itapituba – Rod. Br 101 Km 296.

POSTO NOVA BRASILIA – AO LADO DIREITO DA BR 101 SENTIDO NORTE SUL = PROPRIETARIO SR. RENATO  (48) 3255.71.79 ao lado da FERJUR.

ITA

Camping thermas:- 49-3458.1909  Sr. Ricardo e Josiane,

                                      Email:- parquethermasita@vupt.com.br

R$ 10,00 por pessoa ( ligar antes)


Itapema

Brisa do Mar Camping – Av. Nereu Ramos nº 950, Centro. Tel. (47) 9985-1101.
campingbrisadomar@yahoo.com.br

Camping Carolina – Br 101 – Km 150. Tel. 47 3369-4109

Camping Andorinha – Av. Nereu Ramos 108. Tel. 47 3368-4160

Camping Beira Mar – Av. Nereu Ramos, Praia De Itapema. Tel. 47 3368-4386


Itapoá

Barraca Armada – Acesso pela Av. Atlântica, s/nº. Tel. 41 3256-9411.

Camping d’Itapoá – Av. Principal (Praia de Itapoá). Tel. 47 3443-6022.


Jaguaruna

Camping Lago Azul – Estr. p/ Arroio Corrente, 7km. Tel. 48 3624-0290 e 3624-0143.

Camping Panorama – Praia de Campo Bom, 19km, Rua Geral s/nº.
Tel. 48 3433-5207 e 3433-3125.

Joinvile

Parque Aquatico Recanto Davet = camping R$ 20,00 p/pessoa

Rodov. SC 301 Km 3 – Estrada do Pico – Pirabeiraba – Joinvile – SC

Fone:- 47 – 3428.0485 – 91090485  Email:-contato@parqueaguaticorecantodavet.com.br

Baixa temporada = só finais de semana. Alta de Novembro a Março das 8:00 às 20hs


Lages

Camping Tio Carmo. Tel. 49 3222-5460.

Camping Machado. Tel. 49 3224-2421.

Laguna

Camping Senhor Natureza – Morro da Glória, 1km. Tel. 48 3647-0356 e 51 3211-2144.

Camping Farol – Estrada Geral do Farol de Santa Marta – Prainha do Farol a 100m.
Tel. 48 3647-0572 e 9986-1129.

Camping Molhes da Barra – Av. São Joaquim, 57. Tel. 48 3647-0686.

Maravilha

AABB = 49 – 3664.0093  FAX 0290


Navegantes

CCB-SC-02 – Rua Bernardino A. Nascimento, s/nº. Tel. 47 3224-3083.

Recanto do Gravatá – Sec. Tur. Av. Ivo Silveira, s/nº. Tel. 47 3342-1036.


Palhoça

Camping Floramar – Acesso pelo km 226 da BR-101 p/ Garopaba,(Praia de Fora) 12,5km
Tel. 48 3242-8144.

Camping Pinheira – Acesso pelo km 242 da BR-101 p/ Garopaba,(Praia de Cima) 37km.
Tel. 48 3283-1155.

Ponta dos Papagaios – Acesso pelo km 237 da BR-101 p/ Garopaba,(Praia do Sonho) 29km.
Tel. 48 3286-1114.

Camping Sonhos – Av. Nova Aurora, 278  Acesso pelo km 237 da BR-101 p/ Garopaba,(Praia do Sonho) 29km.
Tel. 48 3286-1176/3286.1213


Palmitos

Cooperarco – Arborizado, ao lado do Rio Uruguai. Tel. 49 3872-0120.

Ilha Redonda – Balneário de Ilha Redonda. Tel. 49 3872-0410 e 3872-0477.

AABB = 49 – 3647.0069 

http://www.aabbpalmitos.com.br


Penha

Camping do Flamboyant Amarelo – Av. S. João, (Praia da Armação) 6km. Tel. 47 9989 5619.

Camping Praia do Poa – Rua Waldemar Werner 1. Tel. 47 3345-0155.

Camping Praia Vermelha – Praia Vermelha. Tel. 47 3345-0447.

Camping Praia Alegre Constancio – Rua Cecílio Philament De Oliveira 45. Tel. 47 3322-6363.

Camping Litoral – Rua Brusque. Tel. 47 3345-0115.

Camping Shangri-La – Av. Itapocorói 1875. Tel. 47 3345-0359.


Piçarras

Camping Terramar – Av. Beira Rio Km 1. Tel. 47 3345-0928.

Camping Tigre – Av. Nereu Ramos, 1902 – Norte. Tel. 47 3345-0941 e 3345-2339


Piratuba

Camping Piratuba – Final Da Av 18 De Fevereiro. Tel. 49 3553-0132.
www.piratuba.com.br


Pontal Do Sul

Camping Recanto Do Mel – Av. Beira Mar, 27. Tel. 41 3455-2251.


Porto Belo

Camping Dolce Vita Mar – Rua Manoel Fellipe da Silva, 521 – Centro. Tel. 47 3369-4106.
www.dolcevitamar.hpg.com.br
ellavita@terra.com.br

Camping Paroquial – Av. Governador Celso Ramos. Tel. 47 3369-4062.

Camping Blumenauense – Rua Senador Atílio Fontana, S/Nº. Tel. 47 3369-4208.


Rio dos Cedros

Camping Ilha – Estrada Geral Palmeiras, s/nº. Tel. 47 9973-9000 e 3386-1050.

RIO DO SUL

Parque Harry Hobus – fica ao lado da BR 470, tem agua, luz, internet, iluminação publica e ronda policial . É da prefeitura 


São Carlos

Camping Águas da Prata – Rua Rio Grande do Sul, s/nº. Tel 49 3725-4392.


São Francisco do Sul

Camping Tonys – Rua Campos Novos, 563. Tel. 47 442-3288 e 41 3267-5137.

Camping Clube Suíço – Rod. Duque De Caxias, Km 7. Tel. 47 3442-2584.

Ubatuba Camping – Rodovia Duque De Caxias 1585. Tel. 47 3442-2031.

Camping Parque Balneario Oasis – Rua 7 De Setembro, S/Nº – Cx. Postal 89.

São José do Cedro

AABB = 49 – 3643.0981


São Martinho

Camping Salto Das Aguas – Tel. 48 3645-0321.


São Joaquim

CCB – SC 01 – Rua do Camping s/nº. Tel. 49 3224-3083.

São Miguel do Oeste

AABB = 49 – 3622.0802 FAX 3621.0057

http://www.saomigueldooeste.aabb.com.br


Sombrio

Gaivota Camping Tur – Estrada Para Balneário 6 Km. Tel. 48 3583-1311.

Tangará

AABB = 49 – 3532.1020  FAX 1011

www.tangara.aabb.com.br

Xaxim

AABB = 49 – 3353.2470  FAX 1133

                                                www.xaxim.aabb.com.br

Anúncios

O Dia que Fomos Acolhidos por Uma Comunidade Quilombola

Sempre que me perguntam o que há de melhor em viver na estrada eu não hesito em responder: As pessoas.

Sim, as pessoas que encontramos pelo caminho nos fornecem o maior tesouro a ser levado em nossa bagagem e foi em um desses momentos que nos perdemos pelo caminho que o destino sabiamente nos colocou na direção da comunidade Quilombola São Roque, localizada na Cidade de Praia Grande em Santa Catarina na divisa com Rio Grande do sul.

Fomos para passar apenas uma noite mas a forma que fomos acolhidos por todos da comunidade nos fizeram passar 3 noites e 3 dias e por pouco não ficamos mais.

A comunidade São Roque ainda mantém viva a cultura e tradição de seus antepassados e com cada ancião com quem conversávamos era uma completa aula de história.

O Assunto rendeu tanto, que estou montando um pequeno documentário com fragmentos dos relatos e histórias
de violência e injustiça, mas também de lutas e resistência. A comunidade foi formada da indignação de homens e mulheres que se recusaram a trabalhar como escravos, formando o quilombo São Roque.

O tempo passou mas a resistência e a luta desse povo sofrido continuam até os dias atuais, até mesmo para poder plantar na terra que vivem desde meados de 1.800 eles precisam lutar na justiça, fato que ocorre desde 2004 quando foram proibidos de cultivar a terra dos seus antepassados por elas estarem inseridas nas regiões dos Cânions, protegidos pelas leis ambientais.

Réplica de uma casa da época da escravidão. Esta casa fica ao lado da escola da Comunidade São Roque.

Contam que no período da proibição muitas famílias começaram a passar fome, era da terra eles tiravam todo o sustento de suas famílias. Após a proibição muitos venderam suas terras por trocados e migraram para a cidade mas sem saber ler ou escrever acabaram por viver uma nova escravidão, o da fome, do preconceito e da falta de apoio político.

Hoje com o apoio de algumas entidades e promotores de justiça estão aos poucos conseguindo reaver as suas terras e expulsar os impostores que estavam explorando a área de forma ilegal. Estão conseguindo cultivar suas roças familiares e aos poucos o sorriso branco e largo, que aliás é uma característica marcante desse povo esta voltando.

As histórias são muitas e os contos e lendas também. Conversar com o Sr Dirceu e seu irmão Valdir nos fez viajar ao passado quando ficava eu e meus irmãos sentados ao lado do fogão a lenha comendo pinhão e ouvindo nossos avós contarem as lendas dos “matos”, eram estórias de boitatá, mula sem cabeça, corpo seco entre tantas outras. Lá na comunidade ouvimos o conto do Príncipe que percorria a região da Pedra Branca em busca de uma noiva, ouvimos o conto do espírito perdido do moço que encilhou a própria mãe e por aí vai. Se passam horas e horas ouvindo a história deles sem que nos cansemos.

Mas como não é só de contos e histórias que eles vivem, fomos fuçar um pouquinho para saber mais sobre o que eles plantam, como vivem, artesanato, culinária e escola.

Descobrimos que plantam de tudo um pouco e o Pedro foi conhecer a roça do Elizeu que hoje é o presidente da associação. Ele nos recebeu em sua casa para o café da tarde e sua esposa Simone com todo o carinho nos preparou um delicioso pão de Ló.

Acolhida sábado a tarde na Casa do Eliseu e da Simone, com direito a chimarrão e Pão de Ló

De lá saímos com a feira da semana feita e o coração cheio de alegria.

Ganhamos Aipim fresquinho, couve, alface, cheiro verde, ovos caipira. Mais tarde outro morador nos trouxe espigas de milho verde, outro nos trouxe lambari pescados no rio que passava bem atrás no nosso acampamento e também trouxe um potinho de farofa de amendoim feito no pilão, nossa, esse último presente foi para me derrubar, quase chorei, juro. Mas você deve estar pensando, tá, o que um potinho de farofa de amendoim tem de tão especial? Tem gosto de infância, minha avó fazia e eu amava.

Rio que passava logo atrás do nosso acampamento

Ainda Tem a dona Maria, anfitriã muito acolhedora e simpática, ela tem uma pequena venda de coisas que ela mesma produz. Em sua maioria conservas e geleias feitas com produtos locais. Na cozinha ela prepara carinhosamente uma polenta, comida a base de farinha de milho que era muito apreciada pelos seus antepassados e servida sempre com fartura até hoje na mesa do povo Quilombola São Roque. _”É uma herança que guardamos com carinho”, conta dona Maria Rita dos Santos

Como podem perceber, todo esse carinho e acolhida deixou marcas registradas, não apenas em nossas câmeras fotográficas mas também em nossos corações.

Descobrimos também que eles mantem viva a tradição da confecção de cestos e balaios que são feitos com tiras de cipó ou com taquara de Bambu, utensílios esses que eram muito usados pelos seus avós para guardar milho ou outros produtos. Eles colocavam no lombo das mulas e transportavam as cargas até São Francisco de Paula, onde tudo era vendido,” conta o sr João Gabriel.

Na comunidade todos fazem questão de manter viva as tradições de seus antepassados, seja através da música, da agricultura ou do artesanato.

Na única escolinha da comunidade ensina-se o bê-á-bá para os pequeninos durante o dia e a noite ensina-se os adultos não apenas como se fazer valer das letras, mas também como resgatar por exemplo, os conhecimentos das plantas medicinais, plantas estas que até hoje são utilizadas pela comunidade para tratar e curar os mais diversos males que acometem homens e bichos (em sua maioria causadas em razão da modernidade), um conhecimento que sem dúvida não pode se perder.

E claro que em meio a tantos presentes que ganhamos, não podia faltar uma erva medicinal, quer dizer, duas ervas. Ganhamos do Sr Dirceu a Quina e uma”vorta” de cipó Mil Homens, a primeira serve melhora a digestão, ajuda a desintoxicar o fígado e o organismo, tem ação antisséptica e anti-inflamatória, auxilia no tratamento da malária, combate a febre, reduz dores no corpo….enfim, as propriedades são Muitas.

Já o cipó de Mil Homens é uma das plantas com propriedades medicinais fortíssimas e com um nome bastante curioso batizado pelo sanitarista Carlos Chagas, que usou o tal cipó para tratar milhares de operários das ferrovias brasileiras, contaminados por um tipo perigoso de malária.

Na noite em que chegamos era o encerramento do ano escolar (inicio de dezembro), lá pudemos conhecer alguns dos professores e vários membros da comunidade. O Sr Dirceu e seu irmão Valdir faziam parte dessa turma, ambos já passado dos 60 anos decidiram andar 5 km toda noite para frequentarem as aulas noturna, e pasmem, o Sr Valdir disse que ainda fará uma faculdade.

Em razão do tempo que acabou sendo corrido, acabamos não indo até a casa deles, que segundo o que nos explicaram é feita de pau a pique, coberta de lona e fica inserida bem no meio da floresta, lá não tem luz nem água encanada e vez ou outra o Leão aparece e acaba comendo um porco e uma vez acabou pegando um dos cachorros deles. Confesso que lamentei muito não poder ir até lá tomar um café tropeiro com eles.

Dentro do território da comunidade esta inserido um ponto turístico bastante procurado pelos aventureiros, a famosa Pedra Branca. São aproximadamente 900 metros de altitude, não parece muito né, mas não subestime, a trilha é bem perigosa em razão das diversas serpentes que habitam a região, uma aliás passou entre os pés do Pedro e por sorte o anjinho da guarda dele estava bem antenado.

Não íamos fazer essa trilha sozinhos justamente por receio das cobras, mas como sempre somos presenteados com a presença de pessoas especiais, acabamos por encontrar o Lobão e sua turma, guias experientes e conhecedores dos perigos e armadilhas a que podemos ser vítimas em meio a mata. E claro que aceitamos o convite, para a nossa felicidade, afinal, se não fosse pela ajuda deles não teríamos chego ao topo da escalada.

Ao Bruno coube carregar a mochilinha da Duda, a mim e ao Pedro coube ofegar muito, dar muito trabalho e deixar todo mundo sem água com uma certa antecedência. Foram pouco mais de 3 horas de caminhada sob o sol de quase 40 graus, no final para alcançar o topo tive um apoio extra do Lobão que apanhou meus pulsos e literalmente puxou-me pelos últimos 100 metros sobre a rocha lisa.

E no final o premio, uma vista de tirar o fôlego. No topo dessa pedra há uma plataforma Base Jump (tem doido pra tudo).

Na volta com sede, com fome, cansados e suados de dar dó, fomos direto tomar água, cervejinha gelada e colocar a carne no fogo. Uma panelada de mandioca que ganhamos no dia anterior e um pouco de carne fizeram a nossa festa e de mais algumas crianças da comunidade que se sentaram no chão em circulo e comeram junto com a gente, direto com as mãos mesmo. Foi bom demais compartilhar esse momento com eles pena que no meio a fome e a muvuca nem lembrei de pegar a câmera para registrar.

Comunidade São Roque localizada na cidade de Praia Grande em Santa Catarina.

Enquanto comíamos rolava um jogo de futebol no Campinho e muita música alegre tocada e cantada por alguns integrantes da comunidade, enquanto isso lá dentro na sede da escola eram preparada comidas e petiscos e na nossa casinha recebíamos as visitas dos nossos amiguinhos que deixaram nossa casinha mais alegre e colorida.

Nosso amiguinho foi visitar nossa casinha….

No Balção entre a cozinha e a sala “social” da escola onde acontece a maior parte dos eventos, também estavam expostos algumas gamelas talhadas na madeira e feitas a mão pelo Elizeu, atual presidente da associação dos Quilombolas. Compramos uma e desde então ela é nossa companhia em todos os nossos churrascos.

No outro canto da Sala próximo a um palco de madeira estavam expostos alguns quadros feitos por um dos senhores mais antigos da vila.

E assim passamos nossos 3 dias, cercados de pessoas, cercados de histórias, de costumes, de aventuras e acima de tudo cercados de muito carinho.

Por isso só posso finalizar esse post dizendo, Obrigada Eliseu, obrigada Simone, Dna Maria, Sr Dirceu, Sr Valdir, Sr Roque, Sr João e tantos outros rostos que embora eu não consiga lembrar o nome de todos, ficarão gravados em nossa memória e coração para sempre.

Obrigada Comunidade São Roque.

Algumas observações.

A comunidade nos forneceu água, luz e banheiro com chuveiro quente, eles não cobram valores de diária mas cada um deve contribuir com o que puder ou achar justo, afinal a Luz consumida não é gratuita para eles.

A região fica aproximadamente 30 km da trilha do Rio do Boi, então se você quer se aventurar um pouco mais essa dica pode ser uma boa pedida, há, e se tiver donativos como roupas, brinquedos ou alimentos pode ter certeza que serão bem aproveitados por eles, tem muita gente que precisa. Junte os amigos e se aventure, depois volte aqui e me conte como foi a tua experiência.

Nômades Digitais e a dificuldade com idiomas, mito ou verdade?

Hoje estava lendo um artigo referente a necessidade de fluência, especialmente em inglês, que dizia que falar outro idioma é um requisito indispensável, eu disse, indispensável para se tornar um Nômade Digital.

Devo discordar um pouquinho, mas não totalmente… Ao longo do texto você entenderá melhor.

Primeiro é preciso entender o conceito de Nômade Digital que segundo a Wikipedia diz que um Nômade digital ou nómada digital é um indivíduo que aproveita a tecnologia para realizar as tarefas de sua profissão de maneira remota e ao não depender de uma base fixa para trabalhar, conduz seu estilo de vida de uma maneira nômade, sendo assim, esse indivíduo poderá escolher de onde trabalhar, pode optar em fazê-lo do sofá de casa, no jardim, em um parque, na piscina, na praia ou em qualquer lugar que lhe convier e que esteja servida por algum serviço de internet, pode trabalhar dentro ou fora do país sem deixar de ser um nômade.

É preciso entender ainda os tipos e diferenças entre ser um Nômade digital ou ser um trabalhador Remoto.

Nômades Digitais – trabalho remoto
ww.amorsobrerodas.blog.br/loja-virtua/

Nômades digitais são em sua maioria empresários e profissionais que comumente trabalham como escritores freelancer, fotógrafos, designers, desenvolvedores de software e qualquer outro tipo de  trabalhador do conhecimento que possa realizar suas tarefas independente de sua localização física. Fazem uso de novas tecnologias como internet wireless, smartphones e aplicativos de Computação em nuvem para conduzir seus negócios, trabalhar remotamente e produzir renda de onde quer que estejam vivendo ou viajando.

Fórmula de negócio On Line

Nômade digital é um profissional que usualmente pode trabalhar de casa ou em cafeterias, bibliotecas e até de um veículo recreativo para cumprir tarefas e objetivos que tradicionalmente seriam realizados em uma posição fixa de trabalho. Também é possível que utilizem espaços de coworking, aluguem escritórios compartilhados em grandes cidades ao redor do mundo ou optem por fazer o uso de house sitting

Quase todas as atividades profissionais atuais funcionam na cloud, sendo possível trabalhar a partir de qualquer lugar do mundo de forma remota. O panorama remoto tem-se desenvolvido tão rápido que um estudo da Fast Company estima que, até 2020, 34% das empresas britânicas terá metade dos trabalhadores a trabalhar em regime remoto.

Os nômades digitais podem ser divididos em três grupos: freelancer (trabalham para clientes e ainda trocam o tempo por dinheiro); empreendedores (criam produtos ou serviços rentáveis mas trabalham de qualquer lugar); e trabalhadores remotos (funcionários normais, mas com um tipo de trabalho que pode ser feito de qualquer lugar).

Um nômade digital assim como qualquer outro profissional pode muito bem estudar, se especializar ou até mudar de ramo, entretanto, existe uma grande vantagem, eles não precisam fincar raízes eternamente em lugar algum. São inúmeras as vantagens de ser um nômade digital. 

O nomadismo digital tem ganho vários adeptos e de diferentes áreas profissionais, desde designers, programadores, marketeers, jornalistas, fotógrafos, Coaches, escritores, nutricionistas, advogados e empreendedores digitais, o que prova que qualquer profissão pode hoje ser facilmente adaptada ao mundo digital. Os adeptos desta tendência garantem que, ao trabalharem remotamente e sendo localmente independentes, ganham mais autonomia, inspiração e criatividade.

Mais e mais nômades digitais estão viajando internacionalmente e mudando-se para o exterior, enquanto continuam trabalhando para clientes e empregadores em seus países de origem. Este tipo de emigração apresenta desafios como a manutenção de um seguro saúde com cobertura global, permanência sob diferentes legislações com às vezes a devida obtenção de visto de trabalho e a manutenção de relacionamentos com família e amigos a distância.  Porém, a vida de um nômade digital também possui extrema flexibilidade, pois seu trabalho pode ser levado consigo em qualquer lugar – e apesar dessa realidade ainda parecer distante de muitas pessoas, quase todas as profissões podem ser adaptadas para o universo dos nômades digitais. 

Como se tornar um Nômade Digital

Se tornar um Nômade Digital é um grande desafio. Muitas pessoas acabam fracassando por se iludir com o estilo de vida e a liberdade para trabalhar de onde quiser. É muito importante a pessoa compreender muito bem o que é o nomadismo digital e pensar nos motivos pelos quais ela realmente quer se tornar um. Pessoas que querem apenas viajar deveriam pensar em um ano sabático e quem quer apenas fugir do trânsito poderia encontrar um trabalho remoto. Muitos não entendem como o nomadismo é uma escolha de estilo de vida.

Grandes nômades de sucesso costumam começar as suas carreiras com pequenas experiências, fazendo viagens curtas dentro do seu país para identificar se esse realmente é o estilo de vida que eles gostariam de seguir. Começar com passos curtos é a principal maneira para entender se realmente deve-se tornar-se um Nômade Digital.

Como pudemos ver acima, é possível tornar-se um nômade digital sem necessariamente dominar outro idioma, é possível ser um nômade e trabalhar remotamente sem viver o tempo todo viajando, ou ainda viajar dentro do seu próprio país, entretanto, dominar outro idioma especialmente a língua inglesa é de suma importância não apenas para viajar, mas um segundo idioma ajuda a abrir portas, a conseguir trabalhos com maior facilidade e um desses trabalhos que tem tido muito sucesso no mundo dos Freelances digitais é justamente o de tradutor.

Então se você almeja um dia mudar o seu estilo de trabalhar, ainda que não deseje viver viajando pelo mundo o tempo todo como algumas pessoas estão fazendo, é legal sim estudar. Você pode ser um nômade digital sem dominar outro idioma sim, mas caso domine estará alguns passos a frente de outros concorrentes na sua mesma área, ou no mínimo em pé de igualdade.

Fórmula Negócio On Line – Nômades Digitais

O que transforma uma pessoa em nômade digital é o formato do trabalho que ela assumiu e não necessariamente a opção de viver viajando, entretanto, a grande maioria que opta por esse estilo de trabalho acaba tendo uma liberdade muito grande para poder viajar e trabalhar, então a maioria começou em endereços fixos e com o passar dos anos e ganho de experiências foram aos poucos ganhando o mundo.

Outros tinham o desejo de viajar e não sabiam como, então passaram a estudar e especializar-se em alguma área que os permitisse realizar esses sonhos.

Portanto tornar-se um Nômade digital nem sempre é uma tarefa das mais fáceis e requer uma boa dose de esforço e dedicação e em alguns casos meses e até anos de estudo.

São José dos Ausentes

Por muitas vezes vimos reportagens e imagens das regiões das Serras gaúchas, e ficávamos encantados, sonhando com o dia em que cavalgaríamos nesses campos  cercados por gado e cânions por todos os lados e que seriam ainda mais lindos do que aqueles que víamos através da telinha da Tv. Embora a região conhecida como Pampas esteja mais ao sul, segundo o IBF (Instituto Brasileiro de Florestas) toda região de coxilha pode também, em razão do tipo do solo e vegetação ser chamada de Pampas, entretanto são mais conhecidos como Campos Altos, mas isso não importa, o que importe é que…

Esse dia tão esperado chegou e a experiência foi incrível, enfim conhecemos São José dos Ausentes.

A história se faz presente muito mais do que apenas no nome, no século XVIII  desbravadores encontram um lugar intacto pelo homem e desenhado por Deus, abraçado pelo estado de santa Catarina entre o rio Pelotas e nascente do rio das Antas estava localizado o maior latifúndio do Rio Grande do Sul, a Fazenda dos Ausentes, localizado em uma região privilegiada do país, São José dos ausentes esta inserido em um Eco sistema único, os campos de cima da Serra são formados por campos de altitude e matas de araucárias.

Junto as belezas naturais a região oferece grandes atrativos como a vista exuberante do pico e Cânion Monte Negro, Coxilha e Cruzinha além das majestosas taipas e mangueirões de pedras que te propiciam uma volta ao passado, o desnível dos rios, cujo fenômeno é de ímpar beleza, os passeios a cavalo pelas coxilhas e a rotina dos campeiros na lida diária, a comida típica em sua maioria feita com produtos cultivados ali mesmo na região, no quintal de cada casa ou pousadas dão um toque inesquecível nessa aventura.

São José dos ausentes sem dúvida oferece um diversificado e envolvente cenário natural envolto em um clima subtropical com temperaturas negativas que deixa suas marcas em campos e matas cobertos pela geada e a fantástica neve que altera as cores da paisagem dos campos de cima da serra no período de inverno.

São inúmeras pousadas disponíveis aos turistas, hospedar-se  em uma delas é sentir-se em casa, elas são sinônimos de aconchego e conforto. A maioria oferece  a possibilidade para acampar, embora não possuam uma área específica para camping, fornecem água, luz e banheiro com chuveiro quente, e quem não quiser cozinhar pode fazer todas as refeições na pousada e saborear comidinhas com gostinho do tempero da vovó.

Nós ficamos na fazenda e pousada Aparados da Serra (contato no link https://amorsobrerodas.blog.br/dicas-de-viagem/fotos/ , a última da rua que dá acesso aos Cânions. Como estávamos a bordo da nossa Terra Bruta e no período de verão, não fizemos uso das instalações da pousada, cozinhamos a nossa própria comidinha como de costume mas fizemos questão de conhecer as instalações e verificar como é o café da manhã servido na pousada que para nossa surpresa apresentou-se um verdadeiro banquete.

A aventura principal ficou por conta dos passeios a cavalo, meu marido tinha medo que eu me estabanasse no chão mas no final deu tudo certo, sem nenhum susto nem tombos.

No primeiro dia fomos para o Cânion da Coxilha, este é pouco divulgado mas para mim foi o mais bonito de todos.

Foram aproximadamente 3 horas de cavalgada com uma vista simplesmente de tirar o fôlego, nesse cânion não chegamos a cavalo até a borda pois é uma região que tem muito gado e para segurança deles, o Cânion todo é protegido  com cercas de arame (passamos por baixo de algumas). Para onde olhávamos víamos campos e mais campos verdinhos e o vento forte era o único som que ouvíamos o que transformava cenário simplesmente mágico e inesquecível.

No segundo dia quase não conseguimos sair da cama devido as dores no corpo da cavalgada do dia anterior (esse negócio é para os fortes) mas a vontade de conhecer os outros 2 cânions (Cruzinha e Monte Negro) nos fez pular rapidinho.

Fizemos nosso tradicional ovos mexidos com café preto fresquinho e saímos  para mais 15 km de cavalgada, dessa vez chegamos até a borda dos Cânions a cavalo e confesso que me superei pois havia prometido poucas horas antes de que não teria coragem para tanto, mas a vista é tão incrível que supera qualquer medo, e demais a mais os cavalos conhecem o caminho e os perigos e a minha Princesa era realmente uma lady e me conduziu de forma tranquila e sem sustos mas a Dudinha ficou um pouquinho enciumada, mas essa história conto pra vocês lá nos nossos vídeos no Canal do Youtube que logo logo vai para o ar.

Eu estava ansiosa para ver a famosa Viração, e nesse segundo dia fomos agraciados por ela. Tivemos a felicidade de conhecer e fotografar os Cânions Cruzinha e Monte Negro ainda com o tempo limpo e em seguida, um pouco antes de irmos embora começou a Viração, esse é um fenômeno que ocorre devido ao choque térmico da massa fria com o calor estacionado na altitude, fazendo com que uma névoa quase palpável se concentre no interior do cânion.

No Cânion Monte Negro tivemos o privilégio de fotografar e filmar bem de pertinho esses dois filhotes de abutre se preparando para lançar seus primeiros voos.

Aqui no Blog vou deixar algumas fotos, mas legal mesmo será vocês assistirem os vídeos que estamos preparando pra vocês e que ficarão disponíveis em breve no nosso canal no Youtube que esta para ser lançado.


Aproveite para seguir nosso Blog e nossa Fanpage e venha conosco nessa aventura. https://www.facebook.com/amorsobrerodasPedroeNoemi/

Serra do Corvo Branco

A Serra do Corvo Branco  é uma estrada sinuosa e panorâmica situada  em Grão Pará, cidadezinha com  uma população: 6.537 habitantes segundo IBGE/2017.  Grão Pará ocupa uma área de 338 km², a 110 m de altitude e faz divisa com: Urubici, Rio Fortuna, Braço do Norte e Orleans

Chegamos em Urubici final de tarde e seguimos direto para a Serra do Corvo Branco, no início do trajeto dá a impressão que a estrada não leva a lugar nenhum, mas de repente  nos deparamos com dois paredões de pedra que impressionam, e ali começou a descida por uma estradinha toda quebradiça e com despenhadeiros que colocam medo, entretanto a vista é tão linda que logo o medo é substituído pelo sentimento de contemplação.

Vale lembrar que estávamos apenas  com a casinha 4×4 (Terra Bruta), a outra casinha ficou ancorada no camping em Gramado pois ela não passaria ali naquela  estradinha nem que fosse desmontada, por isso não recomendamos passar com trailer ou motorhome grande nessa serra, o risco de acidente é bem alto pois mesmo para os carros pequenos, há trechos em que um tem que parar para o outro passa, e em alguns trechos é complicar dar ré para abrir  algum espaço de passagem.

Para quem quiser ir de trailer pode seguir sentido Grão Pará até Aiurê, e deixar estacionado o Trailer na Cabana Corvo Branco (veja imagens e contato abaixo. A Cabana Corvo Branco é uma lanchonete que havia sido inaugurada a apenas 60 dias quando por lá passamos, e a recepção e acolhida foi tanta que resolvemos deixar o contato aqui para vocês, vale  alertar que eles ainda estão implantando uma área para trailer, motorhome e barracas, portanto é importante ligar com antecedência e combinar certinho valores (no nosso caso eles nem queriam cobrar, mas fizemos questão de comprar algumas coisas na lanchonete deles e de deixar um valor que foi simbólico apenas para agradecer a acolhida, afinal passamos duas noites estacionados lá e utilizamos os banheiros, água e luz deles.

Tel:  (48) 99923-5902 Adriano ou Vanda

Cabana Corvo Branco – Grã Pará

Por enquanto a Cabana não oferece chuveiro, tivemos o privilégio de inaugurar a duchinha da nossa casinha. Na primeira noite até colocamos o toldo pra tomar o banho, na segunda noite, bem, na segunda noite nem vou entrar em detalhes, fica por conta da imaginação de vocês, só garanto que entrou pra história…eheh

Veja abaixo mais algumas imagens dessa aventura e até a próxima.

Vida, doce vida…

Novamente nos aproximamos do inverno,  o clima gelado e úmido de Campo largo já mostra a sua cara. Ainda é outono, mas já temos muitos dias chuvosos e  cinzentos nos quais a vontade de sair da cama não é uma máxima verdadeira.

Ao amanhecer vamos despertando lentamente e iniciando um dia que prometia ser preguiçoso, neblina, garoa gelada, cama quentinha e logo vem um cafezinho fresquinho feito com grãos selecionados de um arábica pra lá de aromático, passado na cafeteira italiana com todo cuidado que só os amantes de um bom café são capazes de compreender, acompanhado dos tradicionais ovos mexidos sem o requinte das omeletes franceses mas com uma pitada de muito amor e  carregados até a cama em um bandeja lotada de carinho, refletido na arrumação singela  mas cuidadosamente bem organizada em que aquele pratinho redondo, em amarelo ouro para que a nossa  humaninha de quatro patas possa nos acompanhar no dejejum, completa o cenário.

 

 

Enquanto degustamos o café no aconchego da nossa cama coloco-me a pensar sobre as razões que nos fizeram chegar até aqui, como viemos viver em um trailer e o quanto isso tem refletido no nosso crescimento como seres humanos mas especialmente como seres espirituais que somos.

Desde que decidimos viver em um trailer, todo dia é uma nova descoberta, um novo chamado a reflexão. A cada pôr  do sol que apreciamos enquanto tomamos nosso chimarrão sentados de pés descalços na imensidão de grama verdinha, cada vez que sentimos  a  chuva suave caindo e nos fazendo  diminuir o ritmo ou ainda a cada pessoa  que constantemente cruzam nosso caminhos vão nos deixando lições  preciosas.  Vamos descobrindo aos poucos que o dinheiro é preciso, mas que não podemos ser escravos dele e como dizia o poeta, é preciso dizer a ele quem é que manda em quem. É preciso fazer o que amamos, mas principalmente amarmos tudo o que fazemos, nem sempre as tarefas são as mais agradáveis, mas sermos gratos por podermos executá-las nos dá a dimensão da dádiva de estarmos aqui vivos, com saúde perfeita para podermos seguir sempre em frente.

E é essa vontade de seguirmos descobrindo o mundo, especialmente esse mundo que esta imerso no mais profundo do nosso ser, a matriz divina, o código da vida, a alma, a luz que só se revela aos buscadores incansáveis de si mesmos que nos impulsiona a sair da cama aconchegante e ir de encontro aos nossos sonhos. Então em um sobressalto pulamos para a vida e vamos trabalhar no nosso novo projeto, o nosso micro motorhome. Sim parece estranho pois já temos um trailer, mas quem acompanha nosso Blog e nossas redes sociais sabem que enfrentamos vários imprevistos mas que cada um deles, veio na hora que tinha que vir,  e como pessoas que entendemos que na vida tudo há o momento certo, fomos nos adaptando, criando, mudando e agora vamos concluir mais uma etapa do nosso projeto, e ao adaptar a camionete como um carro de apoio, não iremos mais precisar da barraca e  com isso ganharemos mobilidade e agilidade em nossas expedições selvagens, sem falar na segurança em relação a cobras e outros animais com os quais acabamos cruzando pelo caminho.

E assim a vida vai ganhando cor, sorrisos,  experiências, SENTIDO.

20180508_125223

Na nossa Fan Page (link abaixo), você poderá curtir a página e seguir-nos, assim poderá visualizar os vídeos que iremos postar da transformação da carroceria da camionete em um micro motorhome, lá citaremos sobre materiais usados e valores gastos para que você também se anime  ao ver que é possível encontrar soluções simples e viáveis para você realizar o teu sonho de colocar os pés, quero dizer, as rodinhas na estrada.

Nos acompanhe nessa jornada.

https://www.facebook.com/amorsobrerodasPedroeNoemi/

 

Roda Quadrada…

RODA QUADRADA…

Roda o quê?

Quadrada?

Não, não e não….

Quadrada mesmo são as mentes pequenas que ouvem e repetem como papagaios um conceito tosco e pejorativo que surgiu no Brasil  logo após a mudança de legislação de trânsito ocorrida em 1997. Há, você assustou-se pois achou que esse conceito sempre existiu?

É Cara Pálida, quero mesmo  que você um ser pensante como acredito que deveria ser, pare para se questionar quanto preconceito existe nessas  duas, aparentemente inocentes palavras significam para quem as ouve. Há, e não se assuste com minha repentina mudança de tom e se o post parecer menos cordial e carinhoso como o habitual, mas o assunto requer um balde de água fria, afinal trailer é que nem bunda, cada um usa o seu como melhor lhe convier.

Mas antes de te explicar o que pensam os “rodas quadradas” em relação aos  que se dizem “redondas” ou mesmo “ovais”, vou contar-lhes um pouquinho de história.

Desde muito jovem sempre adorei  acampar, mas nada de camping com toda infraestrutura, quanto mais selvagem o acampamento, mais me atraia a ideia. Conviver com a natureza, acordar com o canto dos pássaros ou com o som de uma cachoeira sempre me encantou e me ensinou que  o verdadeiro valor das coisas está naquilo que que nos preenche a alma, que nos enriquece como seres humanos e nos apequena diante da grandeza e da perfeição da natureza.

Com o tempo e a “maturidade”  vieram as reponsabilidades do cotidiano e a escravidão imposta pelo sistema,  se instaurou então a necessidade de trabalhar muitas e muitas horas por dia para comprar casa boa, carão, andar feito uma árvore de natal sempre com maquiagem impecável, unhas feitas, cremes até para as rugas que ainda nem nasceram e assim muitos anos se passaram, mas sempre com a sensação que o caminho trilhado estava errado, que algo muito significativo estava faltando. O desejo de percorrer o mundo, conhecer culturas, sujar o coturno de barro, fotografar pássaros, escrever sobre  as experiências culinária, jeito de vestir e viver das diferentes culturas sempre foi uma lacuna a ser preenchida, até que surgiu ele, o protagonista dessa história, que comprou um trailer meses antes de eu aparecer e invadir a vida dele para que juntos vivêssemos essas experiências e aprendizados.

Pois bem,  como toda mudança requer uma adaptação e preparação para acontecer, eis que resolvemos morar em um camping até que tudo estivesse 100% (impossível) resolvido, a ideia era ficar apenas 3 meses, mas os imprevistos  foram vários. Primeiro o carro clonado, depois de um ano para resolver veio o teste para puxar o trailer que não funcionou como deveria, aí tivemos que trocar o carro, junto com a troca do carro vão-se as reservas embora ainda tenham sobrado os anéis (por pouco), aí vem a necessidade de ficar mais um pouco até que tudo vá entrando nos eixos. Nisso se passaram quase dois anos, entretanto, essa demora não nos consome, ao contrário, é uma espera  que faz com que acordemos todos os dias com o canto dos pássaros, que possamos ver o entardecer tomando um chimarrão, nos dá tempo para ler nossos livros, escrever algumas linhas vez ou outra, fazer manutenções em nosso trailer/casa o deixando cada vez mais agradável de se viver, curtir os amigos do camping, e viver diariamente em um espaço verde de 66 mil metros quadrados que nos permite contemplar muitos pássaros, esquilos, cotias, lagartos e até gambazinhos.

Nesse tempo de espera, viajamos de barraca sempre que podemos, com  o trailer também embora seja com menos frequência. A decisão de vivermos em um camping, mesmo que pareça redundante, nos faz viver campistas 24 hs por dia, 365 dias por ano. Viajamos sempre que desejamos sem ter que esperar um feriadão prolongado, se desejamos passar 1 dia, 10 dias ou mais de um mês em algum lugar, nós simplesmente vamos.

Então para aqueles “quadrados” que chegam no camping e arrogantemente nos chamam de rodas quadradas saibam que esse termo surgiu, como citado no início deste post, após a mudança de legislação de trânsito ocorrida em 1997 que fez com que muitas pessoas, a maioria já com uma idade mais avançada não tivesse o interesse de adequar a carteira para uma nova categoria assim forçando muitos dos que tinham trailer rodando a encostarem, em alguns casos para sempre. Esses trailers em sua maioria viraram casas de veraneio ou de campo, na qual a família ia para passar poucos dias, sem que jamais o tirassem do local.

Com os anos foi-se criando um preconceito tosco e mesquinho com aqueles que optaram em viver no trailer (fato que não vemos ocorrendo com quem mora em motor home).  O que as mentes quadradas que possuem esse preconceito não entendem é que quem optou em viver no trailer normalmente são aqueles que já possui uma certa autonomia de tempo e dinheiro para fazer isso, pois o sistema de trabalho e escola de filhos escraviza a maioria que só podem viajar com o trailer uma ou duas vezes por ano e ainda assim quando muito ficam, dificilmente passam de 20 dias.

Muitos aqui no Brasil somente pegaram onda em um preconceito já existente nos EUA em relação a quem mora em trailer, mas sem analisarem as diferenças culturais que são maiores que um oceano.  Nos EUA é comum ter preconceito para quem vive em um trailer, mas lá a coisa é diferente, existem milhares de camping espalhados por todo país, alguns desses possuem mais de dois mil trailers, normalmente o dono dos trailers é o dono do terreno que loca esses espaços e por preços bem baixos, então, quem tem dificuldades para pagar um aluguel nos EUA opta em viver em um trailer, pois estes com o equipamento e mais o aluguel não sai mais que 600 dólares mensais e normalmente se tem  fila de espera para locação, entretanto, em alguns desses espaços há muita violência, uso de drogas, prostituição e os americanos têm lá as suas ressalvas por quem vive nesses espaços.

Há também camping só para pessoas idosas e camping de luxo, que são condomínios lindíssimos que oferecem toda infraestrutura  para se viver maravilhosamente bem, claro que o preço nesses locais são bem diferentes e por aí só já seleciona o seu público que é mais eletizado.

No Brasil o que ocorre é exatamente o contrário do que acontece nos EUA, quem opta em viver em um trailer normalmente já tem uma situação financeira estável   e esta (assim como nós) praticando o desapego, tentando viver de uma forma mais simples e principalmente  mais livre das convenções e prisões impostas pela sociedade. Pena que poucas pessoas já se deram conta desse estilo de vida, a maioria quer um trailer ou Motor home apenas para viagens eventuais, não perceberam ainda o quanto esse estilo de vida podem nos enriquecer culturalmente e especialmente, nos ajudar no desenvolvimento humano.

Sim, nós moramos em um trailer, sim nós não temos endereço fixo e nem compromissos com prazos e em breve menos ainda pois estaremos em uma viagem  pelo Brasil sem data para voltarmos, talvez nem voltemos mais. Iremos passar dois meses, seis, oito, 1 ano parados em alguma cidade do interiorzão, até transbordarmos com a cultura local, até conhecermos o povo, até escrevermos algumas linhas, até que a vontade de seguir em frente se faça prioridade, sem datas, sem calendário.

Então quadrados de plantão, a próxima vez que pensarem em chamar alguém de roda quadrada pense o quão otário essa pessoa deve estar imaginando que você é, afinal, quadrado mesmo é o teu preconceito tosco e mesquinho. Aproveite a oportunidade quando conhecer alguém que vive em um estilo de vida diferente do seu para aprender, para trocar experiências, para evoluir pois é isso que nós fazemos todos os dias da nossa existência.

Até a próxima.

 

NOSSA CASA, NOSSO QUINTAL, NOSSO ENTARDECER…

 

 

Nossa História

O Amor Sobre Rodas como o próprio nome diz, nasceu da junção da história do amor de um casal,  Pedro Lucavei e Noemi Cardoso, com o sonho (inicialmente dele) de colocar as rodinhas na estrada, literalmente.

Ele,  já com os filhos adultos e prestes a gozar do direito a aposentadoria após anos de trabalho duro e suado, decidiu ao longo dos seus bem vividos 55 anos, partir em um Trailer sem data para retornar, dando início primeiro pelos estados brasileiros e posteriormente por países da  América do Sul. Mas como nem tudo são flores, faltava a companhia certa, aquela que mesmo sem ele saber também o procurava, então  seus caminhos finalmente se cruzaram e  houve no mesmo instante a certeza que não haveria mais volta, a escolha estava feita e seus destinos traçados, então deu-se início ao planejamento, que levou um certo tempo até que pudesse se tornar real e viável.

Não foi paixão a primeira vista, foi amor de almas com sonhos e ideais semelhantes, pessoas livres com o desejo de viver um grande amor pautado na simplicidade, no desafio, no companheirismo e cumplicidade, regado de muita paz. Dispostos a irem colhendo pelo caminho o aprendizado que só os peregrinos de alma e coração são capazes de entender, a busca não só por culturas e costumes diferentes mas especialmente pelo autoconhecimento e a busca por ideais que vão além de empregos pomposos, restaurantes caros, carros de luxo na garagem, e o vazio que é oferecido pelas grandes metrópoles como ingredientes de consumo que escravizam e nos fazem viver cegos sem perceber a imensidão do mundo que há lá fora,  das infinitas possibilidades, do olhar as estrelas a noite e ouvir o som do mar ao amanhecer, sem fixar raízes naquilo que não possui valor real, levando na bagagem somente o necessário para dar mais espaço as boas lembranças de todos os amigos e histórias que vivenciamos pelo caminho.

Assim, com apenas um ideal e muito amor iniciamos nossa jornada e decidimos criar esse espaço para que nossos amigos e parentes nos acompanhem aonde estivermos, mas logo percebemos que era necessário levar uma mensagem a todos  que vieram posteriormente a nos acompanhar, a de que tudo na vida é possível quando sonhamos e acreditamos nesse sonho, quando vivemos nossa vida com retidão e sabedoria, quando vamos buscar no nosso mais intimo as respostas que nossa alma tanto almeja. Ao longo da nossa jornada vamos dividir com vocês alguns desses sentimentos, dificuldades e aprendizados que formos encontrando pelo caminho, queremos que cada um de vocês que nos seguem façam parte dessa nossa família. Sejam todos muito bem vindos e até nossa próxima parada.

Amor Sobre rodas

Por: Pedro Lucavei Filho e Noemi Cardoso

De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.

William Shakespeare

Patrocinadores

Se você é dono de um estabelecimento comercial voltado ao turismo, poderá usufruir dessa ferramenta de divulgação, para isso basta que você acompanhe nosso roteiro e as datas em que estaremos passando no seu estado ou cidade, nos envie um e-mail  ou entre em contato conosco pelos telefones que estão postados abaixo.

Nosso trabalho consiste em fazer matérias, fotos e vídeos ou mesmo palestras que retratam como é a vida na estrada, nossas   alegrias e dificuldades e ganho de experiências mas especialmente a coragem para sair da zona de conforto para enfrentar um mundo desconhecido e cheio de incertezas, além de palestras que podem ser motivacionais ou voltadas ao público viajante, prestamos consultoria para quem tem ou quer ter um camping voltado para segmento de trailer e motor home e que não tem certeza quais são as necessidades desse público bem como, consultoria para a organização de encontros.

Ao mesmo tempo que orientamos os viajantes também divulgamos teu estabelecimento comercial e os pontos turísticos da tua cidade. Orientamos quanto ao uso de Camping, infra estrutura, valores que vão desde  listagem de pedágios, combustíveis, locais para paradas, alimentação etc.

Além desses serviços você poderá divulgar o link do teu site em nosso Blog ou um Banner publicitário com tua logo, endereço e telefone.   Entre em contato  para ser nosso parceiro nessa jornada.

Use nossos serviços e atraia muito mais clientes.

Pedro Lucavei Filho e Noemi Cardoso

41- 99973-6878

contatoamorsobrerodas@gmail.com