Arquivo da categoria: Nômades Digitais

Como me tornei Nômade Digital com quase 50

É, quase meio século de vida e chega aquele momento de reflexão em que questionamentos brotam de todos os lados inundando nossa alma ávida para viver tudo aquilo que até então nos foi negado.

Foi num desses momentos que decidi estudar um novo caminho, a velha vida cheia de rotinas, terninhos bem alinhado, salto alto, reuniões chatas e interminaveis, peso extra por comer qualquer porcaria dentro do carro no caminho entre um cliente e outro já não estavam alinhados com meus sentimentos e com minha missão de vida.

Afinal, passar pela vida vivendo como um zumbi que repete exaustivamente todos os dias a mesma rotina não me parecia mais uma opçåo aceitavel.

Aí a razão começa a brigar com com o desejo, e as crenças limitantes aprendidas desde a infância começam a fazer uma guerra dentro de mim, então resolvo desafiar a razão e me lançar no mundo, romper com paradigmas, mudar a roupa, a casa e o quintal, e que quintal! Uauh.

Mas a tarefa de reaprender uma profissão a qual me permitisse trabalhar de qualquer lugar do planeta não foi tão simples quanto parecia, gastei muito dinheiro em cursos, gastei tempo pesquisando, fiz muitas tentativas e erros, e não foi fácil convencer o marido que era necessário essa dedicação e esforço para atingir meus objetivos, mas fiz valer meus conhecimentos em informática, da experiência de anos administrando empresa e comandando equipe e do meu perfil empreendedora para me transformar em uma Nômade Digital.

Mas o que é ser uma Nômade Digital afinal?
Ser nômade digital é uma decisão de vida. Eles conscientemente não têm uma casa para voltar. Eles escolheram não ter raízes em seus países ou em qualquer outro país onde eles venham morar eventualmente. Eles não estão fugindo de nada e nem estão em busca de nada. Eles simplesmente aproveitam o percurso e as novas paisagens enquanto vivem a vida e trabalham “normalmente”.

Um Nômade digital pode atuar nos mais variados seguimentos, temos um amigo que é programador, outro faz sites (até iniciei mas não vi muita viabilidade), outro virou youtube de sucesso….ta, ta, ok, a pergunta que você deve estar se fazendo é “mas eu não sou profissional da informática, então não posso ser um Nômade Digital?”

Errado, pode sim. O marketing de afiliados por exemplo é um nicho de mercado que só tem ampliado nos últimos anos e já existem várias empresas que possuem essa plataforma, sendo que a mais conhecida delas é o Hotmart, lá qualquer pessoa pode se cadastrar e vender produtos digitais, as comissões variam bastante, mas de um modo geral são bem atrativas. Essa é uma ótima opção para quem vive na estrada, pois não precisa de estoques fisicos.

Existem várias outras maneiras de empreender e tirar bons rendimentos sem que para isso você precise viver escravo do sistema, entretanto, não é tão simples iniciar um negócio lucrativo do zero, muitas noites fui dormir passado das 2 da madruga, então dedicação e foco especialmente no primeiro ano é indispensavel.

Se você é como eu, quer viver por ai sem horários fixos, sem uma rotina desgastante, sendo seu próprio chefe, sem funcionários desmotivados e ainda tendo a possibilidade de conhecer lugares, culturas e pessoas interessantes, recomendo que arregasse as mangas, pregue a bunda na cadeira e estude, aprenda a fazer um Blog, aprenda a escrever, aprenda a fazer videos, melhore suas fotos, aprenda a editar videos, aprenda a lidar com as ferramentas do Google, aprenda como funciona as plataformas do Marketing de afiliados e as diferenças entre elas, fique ligado aqui no Blog, se inscreva para recebera conteúdos com dicas dos caminhos que segui até aqui.

No menu do Blog você encontrará um link da LOJA VIRTUAL, lá vc encontrara alguns dos cursos que eu fiz e que me ajudaram muito nessa jornada.

O meu projeto ainda não esta 100% concluido, mas já estou colhendo frutos. Resolvi dividir com vocês essa experiência pois muita gente tem me perguntado como é possivel realizar esse sonho de ganhar dinheiro enquanto viaja, e a 3 anos eu e o Pedro, como nossos seguidores bem sabem, vivemos em um trailer. Ele é aposentado, mas aposentadoria no Brasil não quer dizer muita coisa, então eu que não sou aposentada preciso me virar nos trinta e é um pouco dessas experiências que vou dividir com vocês nos próximos posts.

Fiquem ligadinhos e nos sigam pra receber as notificações das próximas postagens.

Anúncios

Cânion Espraiado

Encantamento foi a palavra que encontrei para descrever essa região. Sabe aquele lugar que te dá dor na mandíbula de tanto falar “Ohhhh”, para onde você olha vem logo um “Ohhhh” acompanhado, pois bem, esse é o lugar.

Cânion Espraiado – Urubici (foto de Noemi Cardoso)

O Cânion Espraiado fica localizado no Morro do Campo dos Padres, nome dado em alusão a passagem dos Jesuítas no período das missões, os quais se refugiavam nessas localidades, aliás, a região abriga um antigo cemitério Jesuíta, visível apenas para quem faz as trilhas mais longas (são poucos que se aventuram).

A região é provida de inúmeras  lendas, esculturas geológicas e, cercada de  montanhas, escarpas e chapadas, além dos  cânions e das cachoeiras  que compõem todo o cenário.

Contém um dos pontos mais elevados de Santa Catarina, com 1827 metros de altitude

É uma região excelente para praticantes de Trekking, pois até mesmo o acesso só é possível com mochilão, carro 4×4, moto de trilha, alguns doidinhos arriscam a subida com bike e não sei como consegue, mas conseguem. Com carro pequeno não arrisque ou você vai inevitavelmente ficar pelo caminho e detalhe, lá não chega guincho.

Esse acesso se dá Por Ububici e tem mais ou menos 10km. Parece bem pouco né, mas levamos quase 2 horas para fazer a subida em uma Ranger 4×4  com bloqueio do diferencial e com marcha  reduzida, tudo bem que havia acabado de cair um toró de água, mas o trajeto é complicado mesmo. Eu cheguei a achar que não chegaríamos a lugar algum, e que logo logo eu seria devorada por um leão da montanha em uma das diversas porteiras que tive que descer para abrir (ainda bem que o bicho tem búfalos e javalis selvagens para caçar na região), ufa, me salvei para contar essa história.

Caso você não queira fazer um mochilão e também não disponha de um 4×4, fique tranquilo, ainda dá para chegar até lá utilizando-se do serviço de transporte do pessoal que cuida e administra a visitação no cânion. Eles não possuem site então vou deixar o link da fan page deles no final do post.

Outra coisa, se você é aquele que gosta de luxo, não vá. A única habitação é do pessoal que mora e que fazem as cobranças de acesso ao Cânion. Lá você encontrará um rancho muito, mas muito rústico mesmo com o chão forrado de cepilho um fogão a lenha compartilhado por todos, cachorros e galinhas circulando pelo ambiente enquanto você prepara um rango qualquer.

Se você usar o camping será estilo selvagem e se não compartilhar cozinha, luz e água você irá pagar uns 5 reais a menos no valor da diária, o que do meu ponto de vista não vale a pena, até porque o pessoal que lá mora cobram bem pelas estadias mas oferecem quase nada.

O único banheiro em cimento bruto é compartilhado por todos (torça pra ter pouca gente). Se você quiser se alimentar lá no local eles fazem as refeições mediante encomenda (normalmente para grupos), também é possível fazer rappel, trilha para a cachoeira e Slackline , para isso é preciso contratar um guia (todos os moradores são guias e praticantes de esportes radicais) e possuem todo o equipamento necessário.

Há também a possibilidade de pousar nos beliches que eles alugam em quarto compartilhado, os ciclistas que chegaram na mesma noite que nós fizeram essa opção.

Nós felizmente estávamos a bordo da nossa Terra Bruta, mas em razão do vento que é muito forte na região não pudemos montar o toldo com fechamento, então cozinhamos no fogão a lenha deles, rodeados de cachorros e galinhas, mas foi bem divertido e diferente. Nosso stress ficou por conta de não poder soltar a Dudinha nem para fazer xixi porque os cachorros (tinha uns 15) representavam uma ameça grande pra ela.

No dia seguinte da nossa chegada fizemos a trilha que leva a borda do Cânion, não é muito longa e bem tranquila de se fazer (pra quem gosta de Trekking) e não precisa de guia, a dificuldade maior fica por conta do Charco que são grandes poças d’água com quantidade de lama variável e se formam principalmente na grama e em depressões na terras, no caso do Espraiado esses charcos se estendem por quilômetros e são cobertos por um tipo de graminha típica da região, então use meias adequadas e sapatos de trilhas bem isolados pois os pés afundam e molham bastante em alguns trechos.

No segundo entardecer fomos ver o pôr do Sol no morro da Torre como é chamado pelo pessoal da região. É um dos pontos mais altos a que se tem acesso com pouco mais de 1.600 metros de altitude e é chamado assim em razão de ter uma torre de medição de ventos nele, a vista é simplesmente incrível. Fomos com a Terra Bruta até lá porque fica a 8 km da casa de apoio e para voltar a noite de apé em meio a búfalos selvagens não nos pareceu uma boa ideia.

As fotos que aqui deixamos pode transmitir um pouco do da beleza da região mas não conseguirá mostrar a vocês o tamanho da alegria e emoção que sentimos, só indo e presenciando essa obra da natureza para vocês terem uma ideia do quão belo é esse nosso planetinha. Dos Cânions que conhecemos no Sul do país esse esta em primeiro lugar, não sei se apenas pela beleza, ou pelo fato que aqui ainda há pouca mão do homem aqui, a gente se sente isolado do mundo e mais perto de Deus (aquele que habita em mim e habita em você), sem dúvida um convite a meditação e reflexões.

Dificilmente sentimos vontade de retornar aos mesmos lugares, entretanto, alguns ficam tão marcados na memória que a volta é inevitável. No Cânion Espraiado já ta certo que o dia que conseguirmos adquirir nosso tão sonhado Drone, iremos voltar e registrar mais um pouquinho dessa obra divina protegida por Deus e admirada pelos homens.

Quando vocês forem conhecer, venham aqui e nos contem o que acharam e o que sentiram chegando lá.

São José dos Ausentes

Por muitas vezes vimos reportagens e imagens das regiões das Serras gaúchas, e ficávamos encantados, sonhando com o dia em que cavalgaríamos nesses campos  cercados por gado e cânions por todos os lados e que seriam ainda mais lindos do que aqueles que víamos através da telinha da Tv. Embora a região conhecida como Pampas esteja mais ao sul, segundo o IBF (Instituto Brasileiro de Florestas) toda região de coxilha pode também, em razão do tipo do solo e vegetação ser chamada de Pampas, entretanto são mais conhecidos como Campos Altos, mas isso não importa, o que importe é que…

Esse dia tão esperado chegou e a experiência foi incrível, enfim conhecemos São José dos Ausentes.

A história se faz presente muito mais do que apenas no nome, no século XVIII  desbravadores encontram um lugar intacto pelo homem e desenhado por Deus, abraçado pelo estado de santa Catarina entre o rio Pelotas e nascente do rio das Antas estava localizado o maior latifúndio do Rio Grande do Sul, a Fazenda dos Ausentes, localizado em uma região privilegiada do país, São José dos ausentes esta inserido em um Eco sistema único, os campos de cima da Serra são formados por campos de altitude e matas de araucárias.

Junto as belezas naturais a região oferece grandes atrativos como a vista exuberante do pico e Cânion Monte Negro, Coxilha e Cruzinha além das majestosas taipas e mangueirões de pedras que te propiciam uma volta ao passado, o desnível dos rios, cujo fenômeno é de ímpar beleza, os passeios a cavalo pelas coxilhas e a rotina dos campeiros na lida diária, a comida típica em sua maioria feita com produtos cultivados ali mesmo na região, no quintal de cada casa ou pousadas dão um toque inesquecível nessa aventura.

São José dos ausentes sem dúvida oferece um diversificado e envolvente cenário natural envolto em um clima subtropical com temperaturas negativas que deixa suas marcas em campos e matas cobertos pela geada e a fantástica neve que altera as cores da paisagem dos campos de cima da serra no período de inverno.

São inúmeras pousadas disponíveis aos turistas, hospedar-se  em uma delas é sentir-se em casa, elas são sinônimos de aconchego e conforto. A maioria oferece  a possibilidade para acampar, embora não possuam uma área específica para camping, fornecem água, luz e banheiro com chuveiro quente, e quem não quiser cozinhar pode fazer todas as refeições na pousada e saborear comidinhas com gostinho do tempero da vovó.

Nós ficamos na fazenda e pousada Aparados da Serra (contato no link https://amorsobrerodas.blog.br/dicas-de-viagem/fotos/ , a última da rua que dá acesso aos Cânions. Como estávamos a bordo da nossa Terra Bruta e no período de verão, não fizemos uso das instalações da pousada, cozinhamos a nossa própria comidinha como de costume mas fizemos questão de conhecer as instalações e verificar como é o café da manhã servido na pousada que para nossa surpresa apresentou-se um verdadeiro banquete.

A aventura principal ficou por conta dos passeios a cavalo, meu marido tinha medo que eu me estabanasse no chão mas no final deu tudo certo, sem nenhum susto nem tombos.

No primeiro dia fomos para o Cânion da Coxilha, este é pouco divulgado mas para mim foi o mais bonito de todos.

Foram aproximadamente 3 horas de cavalgada com uma vista simplesmente de tirar o fôlego, nesse cânion não chegamos a cavalo até a borda pois é uma região que tem muito gado e para segurança deles, o Cânion todo é protegido  com cercas de arame (passamos por baixo de algumas). Para onde olhávamos víamos campos e mais campos verdinhos e o vento forte era o único som que ouvíamos o que transformava cenário simplesmente mágico e inesquecível.

No segundo dia quase não conseguimos sair da cama devido as dores no corpo da cavalgada do dia anterior (esse negócio é para os fortes) mas a vontade de conhecer os outros 2 cânions (Cruzinha e Monte Negro) nos fez pular rapidinho.

Fizemos nosso tradicional ovos mexidos com café preto fresquinho e saímos  para mais 15 km de cavalgada, dessa vez chegamos até a borda dos Cânions a cavalo e confesso que me superei pois havia prometido poucas horas antes de que não teria coragem para tanto, mas a vista é tão incrível que supera qualquer medo, e demais a mais os cavalos conhecem o caminho e os perigos e a minha Princesa era realmente uma lady e me conduziu de forma tranquila e sem sustos mas a Dudinha ficou um pouquinho enciumada, mas essa história conto pra vocês lá nos nossos vídeos no Canal do Youtube que logo logo vai para o ar.

Eu estava ansiosa para ver a famosa Viração, e nesse segundo dia fomos agraciados por ela. Tivemos a felicidade de conhecer e fotografar os Cânions Cruzinha e Monte Negro ainda com o tempo limpo e em seguida, um pouco antes de irmos embora começou a Viração, esse é um fenômeno que ocorre devido ao choque térmico da massa fria com o calor estacionado na altitude, fazendo com que uma névoa quase palpável se concentre no interior do cânion.

No Cânion Monte Negro tivemos o privilégio de fotografar e filmar bem de pertinho esses dois filhotes de abutre se preparando para lançar seus primeiros voos.

Aqui no Blog vou deixar algumas fotos, mas legal mesmo será vocês assistirem os vídeos que estamos preparando pra vocês e que ficarão disponíveis em breve no nosso canal no Youtube que esta para ser lançado.


Aproveite para seguir nosso Blog e nossa Fanpage e venha conosco nessa aventura. https://www.facebook.com/amorsobrerodasPedroeNoemi/